O Oscar do passo para trás?

A Academia promete dar um passo para trás neste domingo com a provável premiação de O Discurso do Rei com o prêmio de melhor filme do ano. O longa de Tom Hooper, que chega à reta final da disputa como franco-favorito, está longe de ser o filme ruim, demonizado nas redes sociais, mas representa um tipo de produção que o Oscar tinha deixado de lado nos últimos muitos anos. Mesmo quando premiou aberrações como Crash, a Academia parecia estar interessada em modernizar sua premiação, conversar com os espectadores, parecer contemporânea, atual. Parecia um grito de “se a gente não fizer alguma coisa, eles vão abandonar nosso ganhã-pão de vez”.

O Oscar celebrava coisas tão distantes da realidade que ficava difícil para o espectador validar a premiação. O problema não se resolveu, mas melhorou. Em outros tempos, O Curioso Caso de Benjamin Button ganharia facilmente o prêmio, mas a Academia preferiu um comentário pop sobre a globalização, Quem Quer Ser um Milionário?, e, no ano passado, além de eleger um filme sobre a guerra no Iraque, deu a uma mulher o Oscar de melhor direção. Anos antes, era um filme difícil dos eternos “independentes” irmãos Coen quem levava o prêmio. Tempos que mudam.

Pela lógica, ninguém tiraria o Oscar deste ano de A Rede Social. Embora não seja um filme dos mais inovadores, ele preenche vários requisitos: 1) é sobre o Facebook, a rede que tem mais de 500 milhões de usuários no planeta, o ano assunto do momento entre os internautas comuns; 2) é uma história real, sobre a ascenção de um bilionário; 3) é baseado num livro famoso; 4) tem atores competentes, edição ágil que garante a modernidade, mas não agride os tradicionalistas e um diretor com quase 20 ano de estrada, já indicado ao Oscar, que fez um trabalho celebrado por toda a crítica. O filme do ano estaria no forno.

Mas Hollywood parece ter chegado a seu ponto máximo em se tratamento desse empenho em parecer moderna. De repente, numa velocidade galopante, os sindicatos de categoria começaram, em peso, a virar o jogo. O Discurso do Rei, um filme sobre um recorte na vida de um rei de importância nula na história da Grã-Bretanha, ganhou ares de pequeno épico pessoal, aquele tipo de filme que a Academia adorava premiar. O longa que, repito, não é ruim, tem uma estrutura convencional, mofada, que se ergue baseado em armadilhas dramáticas para cooptar o espectador comum, virou favorito.

A produção dos irmãos Weinstein, que tinham feito campanhas de marketing impecáveis para O Paciente Inglês e Shakespeare Apaixonado, dois vencedores do principal Oscar, ganhou os prêmios dos sindicatos dos produtores, dos diretores e dos atores. A gagueira do rei parecia filme de antigamente, não ofendia ninguém, tinha tom conciliador, elenco de estirpe, produção elegante. Um filme bem mediano começou a ser entendido como um grande filme.

Como toda a indústria comprou este discurso, é bem difícil acontecer outra coisa. O filme deve ganhar o Oscar principal, deixando A Rede Social, bem mais merecedor com um possível prêmio de consolação para o diretor David Fincher. Coisa que aconteceu em casos semelhantes, como quando Ang Lee ganhou nesta categoria com O Segredo de Brokeback Mountain contra Crash ou, anos antes, Steven Soderbergh fez o mesmo com Traffic, diante de Gladiador. Se Tom Hooper foi o vencedor aqui – e ele pode ser já que o filme foi eleito do Sindicato dos Diretores – realmente temos um grande problema em Hollywood.

3 Comments

Filed under Prêmios

3 Responses to O Oscar do passo para trás?

  1. O Oscar desse ano lembra 1999, quando Shakespeare Apaixonado levou. Tom Hooper pode ser o novo John Madden, de quem ninguém lembra mais e que naquele ano perdeu o prêmio de direção para o Spielberg (O Resgate do Soldado Ryan).

    A última vez que um diretor venceu o prêmio do sindicato e perdeu o Oscar foi em 2003. Naquele ano Rob Marshall (Chicago) levou o DGA e Roman Polanski (O Pianista) ficou com o Oscar. Mas Chicago levou o prêmio principal.

    Acho que o prêmio de direção deve ir para o cara mais consagrado, que já tenha demonstrado talento (vide Ang Lee, Polanski, Spielberg e, provavelmente, o Fincher) ao invés do cara inexperiente (como Paul Haggis, Marshall, Madden e, agora, Tom Hooper). Vamos ver…

  2. Concordo plenamente. Este vai ser o ano em que a Academia vai andar para trás.

    Acredito na vitória suprema de O Dicurso do Rei, apesar de torcer muito pelo meu querido Cisne Negro.

    Um forte abraço.

  3. é só uma premiação,na verdade é sim uma grande luta pra ver quem vai divulgar melhor o seu filme.
    esse ano não tem um filme daqueles que você diz que é épicos aquele que fica em nossas memórias.
    entao se discurso do rei ganhar nao e o oscar indo pra tras mas sim uma boa divulgaçao de um filme.

    como eu vi em algum lugar,acho que é um filme, busque aonde esta o dinheiro que descubriras a verdade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>