Category Archives: Curtas

Top 40: os melhores filmes gays de todos os tempos

Somente nas duas últimas décadas, o largo espectro de temas homossexuais conseguiu encontrar um variado e substancioso conjunto de representações no cinema. Gays, lésbicas, bissexuais, drag queens, travestis, entre outros, podem ser encontrados, hoje, em larga escala, em filmes que ultrapassaram o gueto do cinema de classe e que assumem tanto as estruturas de gêneros clássicos, como dramas, comédias e filmes de suspense e de terror, como trazem a orientação sexual para um campo de normalidade que permite se ater a detalhes antes soterrados porque a questão maior já era a ousadia do tema em si.

Embora o cinema gay tenha conseguido renegociar sua posição na produção de filmes, ao longo desses 120 anos de cinema, houve muitos projetos que foram pioneiros em explorar as questões ligadas ao comportamento e ao universo homossexual. Há críticos que insistem que um dos primeiros filmes, o curta-metragem The Dickson Experimental Sound Film, de William Dickson, um filme sonoro realizado mais de 30 anos antes do som chegar de fato ao cinema, teria personagens com um comportamento nitidamente homossexual. No filme, que você pode assistir abaixo, dois homens dançam ao som de um instrumento musical.

Há bastante controvérsia. Alguns estudiosos dizem que o registro da dança entre dois homens teria chocado plateias, enquanto outros afirmam que aquele comportamento seria comum entre homens na época. A época é, no caso, 1895, o ano da “invenção do cinema”. Forçação de barra ou não, outros exemplos de possíveis manifestações homossexuais no cinema podem ser conferidos – e geram polêmica – nos anos seguintes. Em 1907, Georges Méliès dirigiu O Eclipse: Ou a Corte do Sol à Lua, em que um astro-rei viril seduz uma lua efeminada. Alguns estudos dizem que sol e lua seriam do gênero masculino e que o momento do eclipe seria, de fato, uma relação homossexual. A primeira do cinema.

Nos anos seguintes, as comédias flertaram com os temas gays. Algie, The Miner, de Alice Guy-Blaché, mostra um homem efeminado que precisa se livrar do estigma de que “beija cowboys” para conseguir namorar a filha de um ricaço. Charles Chaplin usou roupas femininas em A Mulher e seduziu vários homens. E em A Florida Enchantment, de Sidney Drew, uma mulher engole uma semente mágica que a transforma em homem e seu noivo faz o mesmo e vira um homem “afetado”. Todos estes filmes são da primeira metade da década de 1910 e todos têm um quê de brincadeira. Mas pouco depois disso começaram na Europa as primeiras tentativas de se fazer filmes “sérios” sobre o assunto.

Na Suécia, Mauritz Stiller adaptou o romance Mikaël, de Herman Bang, sobre a relação entre um pintor aclamado e seu pupilo, abalada pela chegada de uma condessa que seduz o jovem, em The Wings, de 1916. O dinamarquês Carl Theodore Dreyer refilmou o livro em 1924 usando o título original, Mikaël. Pela primeira vez, se a história não engoliu algum pioneiro, temos personagens gays representados no cinema. Em 1919, numa Alemanha onde a Constituição considerava a prática homoafetiva como crime, Richard Oswald se une ao físico e sexólogo Magnus Hirschfeld para rodar Diferente dos Outros, que também conta a história de um artista, um músico, e um homem mais jovem. A chantagem contra os homossexuais, algo que era comum no país na época, é um dos temas centrais do filme.

Nas décadas seguintes, censurados ou não, usando subtextos ou sendo mais explícitos, muitos diretores, alguns bastante conceituados, no auge de suas carreiras e heterossexuais, resolveram contar histórias de homoafetividade. De simples romances ao retrato de comportamento de guetos, de cidadãos “comuns” a estereótipos, muitos deles foram bastante felizes em dar sua contribuição para o gênero no cinema. A lista que você acompanha a partir de agora abre uma série de Top 40s que eu devo publicar até o fim de 2014, quando eu completo 40 anos, que vão tentar vasculhar os mais variados aspectos do cinema, juntando meus filmes preferidos e aqueles que escreveram a história da sétima arte.

Basta clicar no link abaixo para acessar minha lista com os 40 melhores filmes com temática homossexual de todos os tempos.

Aqui tem a versão da lista com 100 títulos, mas sem comentários.

Continue reading

Compartilhe!

404 Comments

Filed under Curtas, Listas, Vídeos

A Vida Privada de um Gato

Alexander Hammid (ou Alexander Hackenschmied) foi um diretor nascido em 1907, no então Império Austro-Húngaro, que em mais de três décadas assinou 18 filmes obscuros, entre curtas, documentários e apenas uma ficção em longa-metragem em Hollywood. A Vida Privada de um Gato é um filme experimental de 22 minutos, em que o cineasta registra silenciosamente o dia-a-dia de seus gatos.

A Vida Privada de um Gato EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[The Private Life of a Cat, Alexander Hammid, 1944]

1 Comment

Filed under Curtas, Vídeos

Curta: Aningaaq

Nada está fora do lugar em Gravidade, de Alfonso Cuarón: dos cenários virtuais à maneira como a câmera enquadra os atores, tudo foi milimetricamente calculado para que esta fosse uma das maiores experiências cinematográficas deste ano. Principalmente, o texto, escrito pelo cineasta mexicano e por seu filho, Jonás. Coube ao Cuarón mais jovem dirigir Aningaaq, spin-off do longa, que mostra o outro lado da cena em que a personagem de Sandra Bullock consegue fazer contato via rádio com alguém na Terra. A câmera documental de Jonás apresenta o protagonista, que batiza o curta e tem sua rotina interrompida por uma ligação da qual ele desconhece a origem. Se no longa esta cena, propositadamente comprida, provavelmente já com o projeto do curta em mente, quebra um pouco da fluidez do filme, aqui, sob outro ponto de vista, ela não apenas se justifica, como fica encantadora. Em Gravidade, tudo o que o espectador tinha direito é a um diálogo em que só se entendia o que um personagem falava. Aqui, compreendendo o que estava por trás daquele rádio, é mais fácil entender porque aquela conversa durou tanto, porque ela foi tão importante para a personagem de Bullock e porque as coisas podem ser bem mais imensas do que imaginamos, inclusive os curtas.

Aningaaq EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Aningaaq, Jonas Fuarón, 2013]

1 Comment

Filed under Curtas, Resenha, Vídeos

Cinco filmes de Georges Méliès

Thomas Edison e os Lumiére – e mais alguns outros – podem até ter inventado o cinema, mas quem o transformou em espetáculo foi Georges Méliès, como mostrou A Invenção de Hugo Cabret, de Martin Scorsese. Durante duas décadas, o francês dirigiu centenas de filmes, sempre com a missão de transportar o espectador para um mundo de fantasia. Aqui eu reuni cinco dos trabalhos mais legais de Méliès, que podem ser vistos gratuitamente na intenet.

A Lua a um Metro
[La Lune à un Mètre, Georges Méliès, 1898]

O Ovo Mágico Prolífico
[L'Oeuf du Sorcier/L'Oeuf Magique Prolifique, Georges Méliès, 1903]

O Trovão de Júpiter
[Le Tonnerre de Jupiter, Georges Méliès, 1903]

A Maravilhosa Variedade da Vida
[Le Merveilleux Éventail Vivant, Georges Méliès, 1904]

O Jogo Ilegal
[Le Tripot Clandestin, Georges Méliès, 1905]

Leave a Comment

Filed under Curtas, Vídeos

10 curtas de zumbis para assistir online

Morto-vivo que é morto-vivo sempre dá um jeito de aparecer (ou reaparecer). Seja em filmes pro cinema, em séries de TV, seja nos quadrinhos, seja na internet. Há uma infinidade de curta-metragens realizados no universo dos zumbis – universo imortalizado, literalmente, pelo mestre George A. Romero. Alguns são trabalhos interessantíssimos, mas que pouca gente viu simplesmente porque não sabe que eles estão tão perto. Muitas produtoras independentes e diretores aproveitam a internet para divulgar seus trabalhos. Alguns de qualidade excepcional. Selecionei alguns deles aqui. Todos tem um diferencial ou uma bela sacada.

Destaque para o belíssimo australiano Cargo, para o hilário espanhol Fist of Jesus, que eu já tinha postado aqui, e para o brasileiro Morte e Morte de Johnny Zombie, do crítico de cinema Gabriel Carneiro. O recado é que a maioria está em inglês e achar legendas é meio difícil para curtas, mas os diálogos, na maioria do casos, não são tão longos assim. Vale a pena conferir essa pequena invasão.

2 Hours EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Michael Ballif, 2013]

Uma bela história de amor, transformação e rendição lindamente fotografada.

Bane of Brothers EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Evan Harter, 2013]

A história de dois irmãos no apocalipse zumbi. Intimista e original.

Cargo  EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Ben Howling, Yolanda Ramke, 2013]

Uma ideia original, executada com simplicidade e com um belíssimo desfecho.

Dead Rain! EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Tom Pykett, 2010]

A trama não tem novidades, mas a boa montagem impõe um ritmo ágil ao filme.

Fist of Jesus EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[David Muñoz & Adrían Cardona, 2012]

Algumas passagens da Bíblia recicladas pro mundo zumbi neste delicioso curta.

Infected EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Taylre Jones, 2013]

Se leva a sério demais, mas tem uma boa direção e um final forte e seco.

Morte e Morte de Johnny Zombie EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Gabriel Carneiro, 2011]

Uma câmera impecável e uma bela sacada final que metaboliza a questão.

A New Infection EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Wes Palmer, 2013]

Rapidinho, clima caseiro, mas bem feito e com um final bem humorado.

Saving the Human Race EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[For Menneskeheten, Stian Hafstad, 2012]

Comédia e aventura contracenam neste filme norueguês bem-feito e curioso.

Zombie in a Penguin Suit EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Chris Russell, 2011]

O protagonista insólito valoriza a delicada realização com um final correto.

9 Comments

Filed under Curtas, Vídeos

Curta: Fist of Jesus

Algumas passagens da Bíblia, como a ressurreição de Lázaro, a multiplicação dos peixes e a morte de Judas são recicladas neste delicioso curta dirigido pelos espanhóis David Muñoz e Adrían Cardona. A dupla realinha os textos bíblicos numa corajosa e despudorada brincadeira em que Jesus e Judas se vêem às voltas com uma epidemia de zumbis. Fist of Jesus é um exemplo clássico de cinema gore, com sangue fake voando pra todos os lados, mas impressiona pela competência técnica (fotografia, montagem, música), pelas referências cinematográficas (de western spaghettis aos filmes de George Romero) e, principalmente, pelo texto irônico e inteligente, que se apropria dos símbolos e personagens religiosos para fazer uma obra pop, tão agnóstica quanto hilariante que não se intimida em pecar para lançar novas ideias sobre o surgimento da praga zumbi. O filme está disponível no YouTube desde 11 de fevereiro deste ano e faz parte de uma campanha para arrecadar fundos para um longa que se chamará Era Uma Vez em Jerusalém. Para ajudar com doações, vá ao site do curta ou acesse a página do filme no Facebook.

Fist of Jesus EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Fist of Jesus, David Muñoz & Adrían Cardona, 2012]

1 Comment

Filed under Curtas, Resenha, Vídeos