Category Archives: Festival do Rio

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 13

À Tarde

À Tarde EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Na Ri Xia Wu, Tsai Ming-Liang, 2015]

Faz dois anos que Tsai Ming-Liang anunciou sua aposentadoria e, desde então, entre curtas, médias e longas, fez mais 5 filmes. Diante de tanta produção remanescente, é difícil lembrar que a proposta de À Tarde é um encontro de despedida entre o cineasta e seu parceiro de toda a vida, o ator Lee Kang-Sheng, estrela de todos os seus filmes. O registro desse evento é feito da maneira mais simples possível: os dois sentam em cadeiras colovcadas uma ao lado da outra numa casa em ruínas, com vista para uma floresta. E lá, durante mais de duas horas, esses dois homens apaixonados um pelo outro falam sobre seus caminhos, suas ambições e afeições. Os dois revelam detalhes de uma intimidade que ajuda a explicar a simbiose que vimos em filmes excepcionais como Vive L’Amour, O Buraco e Adeus Dragon Inn ao longo das duas últimas décadas. Kang-sheng começa visivelmente constrangido em se expor diante da câmera, curioso para um ator que despiu em tanto filmes de Ming-Liang, mas a nudez que ele evitava é a nudez do coração. O constrangimento do ator tem muito a ver com a também visível insistência do diretor em receber um declaração “de amor” como a que está fazendo. Esse embate é longo porque Kang-Sheng é resistente e, nos intervalos dessa discussão, entendemos uma grande história de amor.

Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois

Clarisse ou Alguma Coisa sobre Nós Dois EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois, Petrus Cariry, 2015]

A trilha sonora, pesada, solene, anuncia a tensão que rege todas as relações em Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois. No novo filme de Petrus Cariry, Sabrina Greve é uma mulher que não está mais assombrada com os fantasmas do passado, mas guarda um enorme ressentimento em relação aos fatos que determinaram sua história. Numa interpretação rígida e dura, a atriz dá forma a uma personagem que não consegue mais se conter diante do peso da história e decide reencontrar o pai, que está velho, com a saúde bastante debilitada, para acertar as contas de um relacionamento frio e distante, marcado pelas mortes da mãe e do irmão da protagonista. Petrus Cariry, que já havia impressionado em seus trabalhos anteriores, O Grão e Mãe e Filha, aqui é ainda mais rígido na construção das imagens, com planos bem estudados que mostram tanto o isolamento do local (uma fazenda no interior do Ceará) quando o abismo entre as duas personagens principais. A fotografia tem cores fortes, mas prefere os tons escuros, quase que transcrevendo os sentimentos da protagonista. Cariry nunca se esquiva de mostrar o ressentimento que Clarisse carrega. Um sentimento que cresceu e ficou silenciosamente violento. Essa construção de personagem às vezes ganha tons excessivamente solenes, com a ajuda das imagens claustrofóbicas e da música tensa, quase que criando explicações didáticas demais sobre os sentimentos da protagonista. Mas como nunca trabalha numa intensidade diferente, o cineasta parece sempre coerente com seu projeto e com sua personagem, que só explode para o mundo através de um dos motores primais da vida, o sexo. É nessa belíssima e aterrorizante cena final que o sangue significa libertação.

A Colina Escarlate

A Colina Escarlate EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Crimson Peak, Guillermo del Toro, 2015]

Embora insinuar pareça mais nobre do que mostrar na história do cinema de terror, a qualidade dos efeitos visuais atingiu um nível tão alto que os diretores parecem concordar que não há mais nada que esconder. Se isso é um ponto a favor na ambientação do suspense, isso depende de cada obra, mas no geral transformar um fantasma numa figura clara e recorrente diminui um pouco de seu charme. Os fantasmas de A Colina Escarlate se revelam desde as primeiras cenas. Por sinal, estes primeiros momentos do filme de Guillermo del Toro garantem alguns calafrios ao espectador, mas, abraçados com os mortos, seguimos em frente numa história que promete mais do que oferece. Del Toro é muito fiel à ambientação do filme, que se passa no final do século XIX. Mais do que uma reconstituição de época, o filme empolga com a construção perfeccionista de uma atmosfera que evoca o das grandes novelas de terror. Tudo é exuberante e grandiloquente e isso funciona em muitas instâncias, mas não segura a trama até o fim. Mia Wasikowska e Tom Hiddleston estão excelentes, mas Jessica Chastain trabalha na caricatura o tempo inteiro e está sempre um tom acima de todo o resto.

Kiri - Profissão Assassino

Kiri: Profissão Assassino EstrelinhaEstrelinha
[Kiri: Shogugyô Koroshiya, Koichi Sakamoto, 2015]

Koichi Sakamoto tem uma extensa carreira como diretor de filmes para a TV estrelados pelos Power Rangers, pelos Kamen Riders e pelo Ultraman. Essa bagagem num produto de ação feito para crianças e adolescentes ajuda a entender qual é o público de Kiri – Profissão Assassino. A ideia é bem interessante: pessoas comuns são contratados através de um site para cometer assassinatos. Quem topar fazer o serviço pelo menor valor, leva. Sakamoto cria uma dinâmica interessante em mostrar quem são estas pessoas e o porquê delas fazerem esse tipo de trabalho. Há uma boa sequência de cenas de ação, bem exageradas, mas condizentes com o universo que o filme apresenta. O problema maior é quando Sakamoto tenta dar um peso dramático ao filme criando a figura de um assassino psicopata que aceita os serviços por um real. Tudo relacionado a essa personagem carrega demais nas tintas e cria um embate com a frivolidade do projeto.

Longe Deste Insensato Mundo

Longe Deste Insensato Mundo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Far From This Madding Crowd, Thomas Vintenberg, 2015]

Passam-se os anos e o melhor trabalho do dinamarquês Thomas Vintenberg ainda é o filme que o revelou, Festa de Família, marco zero do Dogma 95. Sempre interessado por temas polêmicos e conflitantes, como no recente A Caça, o cineasta resolveu agora mostrar uma nova faceta e adaptar um clássico da literatura inglesa, o maior sucesso da carreira de Thomas Hardy, Longe Deste Insensato Mundo. O livro, que já havia se transformado em filme algumas vezes anteriormente, sendo a mais célebre a versão de John Schlesinger de 1967, é um exemplo da literatura realista do fim do século XIX, que apostava numa visão mais fiel das personagens para que elas realmente representassem o comportamento da época. Vintenberg parece bem interessado nessa ideia e faz uma adaptação naturalista de Hardy, embalada por uma lindíssima trilha de Craig Armstrong e pelas belas imagens de Charlotte Bruus Christensen, que aproveita o cenário e a iluminação natural para compor a atmosfera para que a história se desenrole. Carey Mulligan encarna com propriedade sua Bathsheba Everdene, não muito diferentemente das jovens altivas que já interpretou, e o belga Matthias Schoenaerts, que trabalha cada vez mais em língua inglesa, consegue traduzir a sutileza de Gabriel Oak. Vintenberg acerta em escolher um tom solar para o filme, não se contaminando pelas muitas viradas dramáticas na história. O realismo de boa parte de seus longas encontrou nessa adaptação de um texto clássico um terreno mais fértil do que poderia se imaginar.

Micróbio e Gasolina

Micróbio e Gasolina EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Microbe et Gasoil, Michel Gondry, 2015]

Pouco a pouco, Michel Gondry vai encontrando sua personalidade no cinema. Pouco a pouco porque depois de Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças, sua parceria com Charlie Kaufman, lançada há 11 anos, o francês demorou a fazer um filme realmente especial. O que se ensaiava em seu longa anterior, A Espuma do Dias, uma busca por um cinema comercial com assinatura, se cristaliza em Micróbio e Gasolina, o filme infanto-juvenil mais delicioso dos últimos tempos. E isso se deve principalmente aos personagens altamente complexos e completamente adoráveis interpretados por Ange Dargent e Théophile Baquet. Os garotos excelentes dão vida a Daniel e Théo, o Micróbio e o Gasolina do título, dois adolescentes que não fogem ao clichê do “descobrindo a vida”, mas cujo roteiro escrito por Gondry os livra de dezenas de lugares comuns com um texto inteligente e discussões sobre a vida tão profundas quanto as que acontecem frequentemente em filmes franceses para “adultos”. Gondry respeita a idade das personagens, mas nunca as subestima. Seus protagonistas são crianças inteligentes e isso não significa ser afetadas. As obsessões visuais do diretor se resumem à casa-carro que os dois constroem para sair pelo mundo. Curiosamente, depois que eles deixam a cidade o filme perde um pouco do impacto inicial, mas até aí o espectador já está encantado com os dois meninos que olham para a vida com mais maturidade do que seus pais, mas que sabem bem respeitar suas idades.

No Andar de Baixo

No Andar de Baixo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Un Etaj Mai Jos, Radu Muntean, 2015]

No Andar de Baixo revela uma certa crise do cinema romeno e não porque o novo filme de Radu Muntean seja ruim. Pelo contrário, é uma história bem interessante e bem contada, mas que obedece a uma fórmula cada vez mais massificante entre os cineastas daquele país: estilo documental, fotografia limpa, sarcasmo tímido, estrutura sem grandes manobras e uma crítica à burocracia e ao comportamento médio da sociedade romena. Tudo isso funciona bem no filme de Muntean, mas mostra um comodismo quase constrangedor. Seu longa anterior, Terça, Depois do Natal, era bem mais cheio de nuances ao contar a história de um homem com duas famílias. Aqui, o protagonista descobre que a vizinha do andar de baixo foi morta, mas resolve não revelar que a viu discutindo com outro homem. O diretor se concentra em tentar entender e desdobrar essa decisão do protagonista, mas não oferece muito além de um motivo “escondido” que o espectador já conhece desde que a polícia bate em sua porta. Desta vez, embora o registro seja preciso e apurado, falta personalidade ao filme.

O Peso do Silêncio

O Peso do Silêncio EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[The Look of Silence, Joshua Oppenheimer, 2014]

Em 2012, Joshua Oppenheimer entregou ao mundo O Ato de Matar, documentário em que convida paramilitares responsáveis pelo genocídio de um milhão de pessoas na Indonésia a reencenar os assassinatos que cometeram sob o pretexto de estar livrando o país dos comunistas. É o maior filme de terror da década e um dos registros documentais mais assustadores já feitos. O impacto do longa foi enorme e Oppenheimer resolveu fazer uma espécie de continuação ou ainda um filme complementar. Se o primeiro longa aposta no encontro com os assassinos, que defendem orgulhosamente os crimes que cometeram e se sentem verdadeiras celebridades ao reconstruir as cenas das mortes, O Peso do Silêncio elege Adi, o irmão de uma das vítimas, como interlocutor com os criminosos. Ele utiliza sua profissão, de oftalmologista, para se aproximar dos assassinos e colocá-los contra a parede. Embora os encontros sejam bastante fortes, há um certo nível de maniqueísmo na condução de boa parte das cenas, desde a expressão sempre consternada do protagonista até o constrangimento de parentes dos paramilitares. A postura do filme é corajosa porque o governo que ainda domina o país é o mesmo que ordenou a execução dos contrários ao regime. Além disso, há cenas bastante tensas, uma bela construção visual e o longa ajuda a levantar muitas questões como papel da religião no conflito, mas em vários momentos Oppenheimer parece querer ganhar mais uns tostões em cima do seu filme anterior, para o qual este perde em impacto, como registro e, sobretudo, na originalidade.

A Rua da Amargura

A Rua da Amargura EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[La Calle de la Amargura, Arturo Ripstein, 2015]

Há muitos cineastas que passam todas suas carreiras tentando falar a linguagem das ruas, documentar a decadência do homem e chegar às profundezas da sociedade e não raramente chegam a registros estereotipados e simulacros imprecisos que revelam suas visões rasas ou distantes desse universo paralelo. Bastam algumas cenas de A Rua da Amargura para notar que Arturo Ripstein parece saber bem do que está falando. O preto-e-branco da fotografia ajuda a criar um ambiente genuinamente sujo, in lato e strictu sensu. As personagens tem sua ética corrompida pela situação de completa miséria em que vivem e Ripstein consegue capturar a essência maculada das histórias escondidas nesses becos, que abrigam velhos homossexuais enrustidos, anões que são astros de luta livre e prostitutas da terceira idade. Estas, interpretadas pelas veteranas Patricia Reyes Spíndola e Nora Velázquez, que lideram um elenco que ajuda a dar esse tom autêntico ao filme. Silvia Pasquel e Alejandro Suárez também têm performances especialíssimas. O filme funciona em muitas formas, mas, enquanto documenta essa realidade, num misto de melodrama tipicamente mexicano e cinema noir de cunho social, Ripstein faz um trabalho impecável. As coisas só ficam mais banais quando um crime é inserido à história e o filme se concentra mais em seu desenrolar do que em suas personagens. Mas, até lá, o cineasta veterano já havia nos entregado um pequeno estudo da alma humana.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 12

À Sombra de uma Mulher

À Sombra de uma Mulher EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[L'Ombre des Femmes, Philippe Garrell, 2015]

O último longa de Philippe Garrel é bem mais simples do que a maior parte de seu cinema, o que pode frustrar o espectador que conhece a complexidade de sua obra. À Sombra de uma Mulher é um drama sobre como a infidelidade revela padrões de comportamento do homem e da mulher. Depois de três longas estrelados pelo filho, o diretor reserva a Louis Garrel o papel de narrador da história sobre um casal de documentaristas que começa a se interessar sexualmente por outros parceiros, mas que reagem de maneiras distintas quando seus casos extraconjugais são descobertos. Em apenas 72 minutos, no belo preto-e-branco habitual, o diretor leva as personagens para passear pelas ruas de Paris, num roteiro coescrito pelo maestro Jean-Claude Carrière, enquanto discute de maneira supreendentemente leve como homem e mulher reagem de maneiras diferentes a questões sentimentais. Clotilde Courau está excelente e Stanislas Merhar revela a fragilidade de Pierre.

Blood of My Blood

Blood of My Blood EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Sangue del Mio Sangue, Marco Bellocchio, 2015]

Mesmo quando o filme não é um de seus melhores, Marco Bellocchio prova seu talento na direção. Aqui ele surpreende o espectador ao fazer com que a história central, passada no século XVII, ganhe ecos nos dias de hoje, no mesmo cenário. O conto de época é uma denúncia do diretor sobre o abuso de poder e a violência da igreja, que tortura uma religiosa para que ela confesse seus pecados, entre eles o de ser amante de homem que se suicidou. Bellocchio impõe um clima de terror à história que se dissolve no segundo ato, em que um empresário russo tenta comprar o monastério onde aconteceu a tortura, hoje abandonado e ocupado por um conde fugitivo que pode ser um vampiro. As histórias parecem ter pouco a ver e a passagem entre elas é bem brusca, mas Bellocchio é um diretor de muitas habilidades e resolve usar os mesmos atores para criar um elo entre as duas. Consegue torná-las ambas interessantes, embora a primeira seja bem mais atraente e o simples fato de ser livremente inspirado no episódio real da “freira de Monza” aumente a curiosidade sobre ele.

Cinco Graças

Cinco Graças EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Mustang, Deniz Gamze Ergüven, 2015]

Cinco Graças é um belo filme e um belo filme feminino também. Um belo filme porque a diretora Deniz Gamze Ergüven, que assina seu primeiro longa-metragem, realmente conseguiu capturar o espírito ingênuo e libertário das personagens e traduzir esse espírito em imagens bonitas e bastante simbólicas. Um belo filme feminino porque, além de uma diretora-roteirista, tem uma corroteirista (a também cineasta Alice Winecour, de Transtorno) e cinco protagonistas adolescentes. O senão em relação ao filme é que todas as apostas de Ergüven são seguras: estamos diante de mais uma história étnica e de fundo cultural e religioso sobre casamentos arranjados e violência dentro de casa. Não há risco algum nem se acrescenta muito a um assunto retratado tantas e tantas vezes no cinema e que atende a um público muito específico, o das salas de arthouse. O roteiro, muito calcado em reproduzir detalhadamente o cotidiano daquela família, tenta diluir os estereótipos, mas eles estão todos lá, envoltos por uma fotografia que explora com muita inteligência a luz natural e a beleza das meninas. O filme é o indicado da França para o Oscar, mas ele é qualquer coisa, menos um filme francês: conta uma história turca, em turco, na Turquia, com diretora e elenco turcos, o que só confirma a teoria de cinema de exportação.

O Clã

O Clã EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[El Clan, Pablo Trapero, 2015]

Pablo Trapero já foi um cineasta mais autoral, mas depois de uns tropeços feios (Abutres, sobretudo) volta à velha forma e entrega um filme onde tudo parece no lugar. O cineasta adapta a história real de uma família responsável por sequestros violentos na Argentina entre o fim dos anos 70 e o começo dos 80. Capricha na reconstituição de época, encontra bons intérpretes para suas principais personagens e mantém um ritmo sempre interessante para uma história que, por si só, é suficientemente boa, ainda mais por ter realmente acontecido. O filme já é o mais visto do país neste ano e vai representar a Argentina no Oscar. Embora venda a família como protagonista do filme, Trapero trata a trama como um duelo de amor e ódio entre patriarca e herdeiro, com a sedução pelo dinheiro tão importante quanto o embate ideológico. Guillermo Francella, o coadjuvante adorável de O Segredo dos Seus Olhos, compõe uma personagem assustadora como o chefe do clã. Está aterrorizante em alguns momentos, embora caia na caricatura aqui e ali. Sua química com Peter Lanzani, que vive o primogênito da família, é bem eficiente, embora Francella naturalmente devore todos em volta. A escolha por privilegiar estas duas personagens é meio óbvia para desenvolvê-los ao máximo, mas deixa os outros membros da família meio de escanteio. O diretor usa flashbacks e flashfowards para criar uma dinâmica própria para a montagem. Funciona bem, mas não sai muito do padrão. A cena final, sem cortes e impressionante encerra um trabalho competente no cinema comercial argentino.

A Obra do Século

A Obra do Século  EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[La Obra del Siglo, Carlos Quintela, 2015]

A ingenuidade que aparece em alguns momentos de A Obra do Século, principalmente no final, em forma de “mensagem”, não tira o brilho deste verdadeiro achado no meio de uma cinematografia latino-americana cada vez mais cheia de trejeitos. O segundo longa do cubano Carlos Quintela recupera um episódio perdido no meio da Guerra Fria entre União Soviética e Estados Unidos, que teve em seu país um de seus principais coadjuvantes. Em 1980, os soviéticos iniciaram a construção de um projeto faraônico de uma usina nuclear na província cubana de Cienfuegos, mobilizando um gigantesco número de trabalhadores para morar em torno da planta numa cidade especialmente criada para este fim. Quintela utiliza imagens reais para mostrar que, poucos anos depois, com o fim da Guerra Fria e o acidente na usina de Chernobyl, na Ucrânia, o projeto foi abandonado pela metade e o lugar virou uma cidade fantasma. É nesse ambiente que o cineasta caracteriza como uma terra pós-apocalíptica, que surge uma história de ficção sobre pai, filho e neto que ainda vivem no local, sobrevivendo das memórias e da esperança de alguma mudança. Quintela utiliza alguns truques meio óbvios para dar mais peso dramático para a história, que é rodada em preto-e-branco enquanto o found footage é em cores, e alternando planos abertos nas cenas que mostram a cidade deserta e enquadramentos fechados dentro do apartamento da família. Mas essa ingenuidade não diminui o impacto de um filme sobre um lugar esquecido no tempo e riscado da história, que olha para trás com saudades de um regime que ficou para trás.

Paulina

Paulina EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[La Patota, Santiago Mitre, 2015]

Paulina ganhou o prêmio da Semana da Crítica em Cannes muito por causa das polêmicas que alimenta em relação à violência sofrida por sua protagonista. Santiago Mitre, roteirista de três filmes de Pablo Trapero, sabe bem como levar os dilemas ao extremo, alimentando cada situação com uma postura discutível de sua protagonista, que ganhou uma ótima intérprete em Dolores Fonzi. Um dos pontos delicados do longa é quando percebemos o quanto Mitre é afeito a truques: ele abre o filme com uma discussão ideológica entre pai juiz e filha, que quer largar uma carreira promissora para fazer trabalhos sociais numa região pobre, afastada dos grandes centros. Esse dilema parece que vai estar na espinha dorsal da trama, mas Mitre transfere as discussões para uma questão mais impactante, a da violência sexual. Aborda todos os aspectos e tenta frustrar as expectativas do espectador com comportamentos e reações de Paulina. Um jogo um tanto maniqueísta, mas ainda assim interessante.

Per Amor Vostro

Per Amor Vostro Estrelinha
[Per Amor Vostro, Giuseppe M. Gaudino, 2015]

O ponto forte de Per Amor Vostro, se é que existe algo que possa receber essa classificação, é a cara-de-pau ousadia do diretor Giuseppe M. Gaudino em dar cabo de todas as ideias que teve por mais absurdas que elas possam parecer. O cineasta tem uma carreira como documentarista, mas só havia assinado um longa de ficção antes desse, no ano distante de 1997. A sede por dirigir um não-documentário deveria ser tanta que Gaudino resolveu não abriu mão de nada que imaginou: temos um filme em preto-e-branco com algumas cenas coloridas; efeitos visuais e sonoros em profusão; algumas sequências de imagens e símbolos que remetem a várias religiões e mitologias; personagens que são apresentados pela letra de uma música no melhor estilo dos filmes baseados em cordel; e um melodrama de excessos tipicamente italiano amarrado a uma história de máfia. Valeria Golino interpreta Anna Ruotolo, uma protagonista que sofreu e sofre tudo o que Deus pode impor a uma mulher sofredora (foi preterida pelos pais em relação ao irmão irresponsável, mas agora tem que cuidar deles; respondeu por um crime que não cometeu; tem um marido extremamente violento) que começa a trabalhar no cinema, o que abre as portas de seus devaneios para mudar de vida. Golino ganhou a Copa Volpi de melhor atriz em Veneza por este trabalho. Um exagero. Assim como cada milímetro deste Per Amor Vostro.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 11

Os 33

Os 33 EstrelinhaEstrelinha½
[Los 33, Patricia Riggen, 2015]

O maior problema de Os 33 não é a superficilidade com que a mexicana Patricia Riggen desenha suas personagens, associando cada um a um estereótipo para ficar mais fácil contar sua versão pasteurizada, mas funcional da operação de resgate dos 33 mineiros que ficaram soterrados no Chile alguns anos atrás. A grande questão é a lógica ultrapassada de que uma história desse porte precisa ser uma superprodução internacional, falada em inglês, e cheia de astros das mais variadas nacionalidades – menos chilenos. O cinema já passou dessa fase. Filmes assim tendem a funcionar cada vez menos. Seria muito mais digno rodar um filme em espanhol com um elenco conhecido, mais prioritariamente latino. As escolhas de Antonio Banderas (espanhol), Rodrigo Santoro (brasileiro) e Lou Diamond Phillips (americano nascido nas Filipinas) são entendíveis. Nomes relativamente conhecidos que vão agregar público, mas trazer Juliette Binoche, por melhor atriz que seja, para o papel de uma chilena queimada de sol é algo bizarro. Ela parece completamente deslocada como Maria – é o miscasting da década – e qual é a lógica de escalar Bob Gunton, um ator sem qualquer assinatura para fazer o presidente do Chile? No mais, Os 33 mostra alguma habilidade em criar cenas emocionais, principalmente nos reencontros, embora a história real já seja suficientemente lacrimosa. É um filme minimamente eficiente, mas poderia ser bom.

Anomalisa

Anomalisa EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Anomalisa, Charlie Kaufman, 2015]

Charlie Kaufman, que sempre procurou as estranhezas da vida, agora parece estar, se não com o coração mais calmo, pelo menos mais consciente com sua busca pelo mais simples. A mente perigosa por trás de Quero Ser John Malkovich e Adaptação assina sua primeira animação, o delicado Anomalisa, e transforma um dos exemplos máximos da nossa sociedade comandada pela burocracia, um consultor de RH, em protagonista. Mas não se trata de um consultor de RH qualquer. Michael Stone é uma celebridade do mundo corporativo: um homem que ajudou a implantar um sistema para padronizar serviços e agora se vê vítima de um mundo milimetricamente calculado. O anti-herói de Kaufman, em viagem para fazer uma palestra, passa a questionar suas escolhas na vida quando descobre uma mulher que tem uma voz pela qual se apaixona. Ela destoa do mundo como o próprio diretor se diferencia de seus colegas – mas até quando? Mais maduro do que em seus outros filmes, que procuram destacar a estranheza de suas ideias diante de um mundo onde elas não acham espaço, em Anomalisa, Kaufman desta vez parece olhar para si mesmo com mais cuidado do que admiração e percebe que muitas vezes não é o mundo que não te abre uma clareira, mas você mesmo que não quer se encaixar. E ter a consciência disso deixa as coisas bem mais tranquilas.

Les Chevaliers Blancs

Les Chevaliers Blancs EstrelinhaEstrelinha½
[Les Chevaliers Blancs, Joachim Lafosse, 2015]

Afeito a dramas familiares pesados como Propriedade Privada, Lições Particulares e Perder a Razão, todos tratando de relações controversas dos protagonistas para com aqueles que estão por perto, o belga Joachim Lafosse, desta vez, resolve ampliar suas discussões éticas viajando para a África. Vincent Lindon interpreta o presidente de uma ONG chamada Move for Kids, que, sob a égide de salvar órfãos da guerra civil no Chade, resolve montar uma grande operação para fugir do país com cerca de 300 crianças que já foram prometidas a famílias francesas que estão na fila de adoção. Lafosse acompanha os personagens com uma câmera quase documental, o que viria a se tornar um problema porque oficializa as escolhas morais do grupo como se elas fossem escolhas morais do filme. Embora consiga transformar o foco de seu registro, revelando aos poucos as atitudes limítrofes dos personagens, em especial do protagonista, como se desse pistas de que discorda dele(s), Lafosse nunca assume uma postura verdadeiramente crítica em relação a toda a ação. Na maior parte do filme, parece defendê-la, por sinal. O desfecho talvez indique uma tomada de posição, mas combina mais com a série de finais impactantes que o cineasta adorar deixar estourarem nas mãos do espectador.

Eu Sou Michael

Eu Sou Michael Estrelinha
[I Am Michael, Justin Kelly, 2015]

“Você deu aos anti-gay a história que eles precisavam”. Esta frase é dita por Nico, um dos muitos interesses amorosos do protagonista de Eu Sou Michael para ele, num momento que marca a virada da personagem, quando o ex-ativista gay acabara de revelar que não se identifica mais como homossexual. A história, por si só, é bastante interessante, mas a realização deste filme é um equívoco completo. O diretor Justin Kelly e o produtor Gus Van Sant são abertamente homossexuais, assim como o coprotagonista, Zachary Quinto, e o ator que faz o papel-título, James Franco, é provavelmente o mais gay friendly da história recente de Hollywood. Então por que diabos fazer um relato biográfico do homem que desistiu a homossexualidade que exerceu durante toda a vida, inclusive lutando ativamente contra o preconceito e pela igualdade, para se dedicar à religião e passar a condenar os gays em nome de Deus? Qual é a lógica de talvez para supostamente fazer as coisas com imparcialidade conduzir o filme com uma apatia quase condescendente para com o protagonista, como se estivessem abalizando suas atitudes? Eu Sou Michael é uma punhalada nas costas do movimento gay; um desserviço para jovens em crise por terem se descoberto homossexuais, como alguns retratados pelo filme; uma propaganda inusitada de igrejas fundamentalistas; uma heresia surgida no seio da própria comunidade. E se não esses não fossem motivos suficientes, é um filme raso (por buscar esse distanciamento) e chato para caramba.

As Fábulas Negras

As Fábulas Negras EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[As Fábulas Negras, Rodrigo Aragão, Joel Caetano, José Mojica Marins e Petter Baiestorf, 2014]

Falta aquele acabamento nos roteiros, embora as três últimas histórias sejam muito bem estruturadas, mas a mera existência de um projeto como As Fábulas Negras é digno de nota. Combatente do cinema de horror brasileiro, Rodrigo Aragão comanda um filme em episódios baseados em personagens do folclore nacional – das lendas da floresta aos mitos urbanos. Tudo feito na unha, sem muitos recursos, mas transbordando criatividade e um amor forte pelo cinema de gênero. Os cinco episódios são costurados pela história dos quatro meninos que vão brincar na floresta e relatam, uma a uma, como surgiram as lendas do monstro do esgoto, do lobisomem, do saci e da loira do banheiro, nesta ordem, além da história de uma mulher que fez um pacto com o demônio, que encerra o filme. Embora a ideia seja bastante simpática, o tom de comédia das intervenções dos meninos, que como atores deixam muito a desejar, quebra um pouco a expectativa para com os contos de terror. O primeiro, dirigido por Aragão, é o menos impactante, mas abre espaço para o assinado por Petter Baiestorf, que embora tenha um elenco bem ruim, traz uma excelente cena de transformação do lobisomem. As coisas ficam bem melhores no episódio do mestre José Mojica Marins, uma crítica nada sutil ao fundamentalismo religioso, que embora tenha suas fragilidades entrega um roteiro mais redondo. O melhor bem a seguir, com a história da loira do banheiro, contada com muitos sustos por Joel Caetano. Ótimo trabalho de maquiagem também. A sacada final é boa, misturar os garotos da floresta com uma das histórias, também dirigida por Aragão, esta bem mais criativa, que ajuda a manter o nível acima da média.

Lúcifer

Lucifer EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Lucifer, Gust Van den Berghe, 2014]

Lucifer é parte final de uma trilogia de filmes de temática religiosa do diretor belga Gust Van der Berghe e conta a história da passagem do anjo recém-caído por uma espécie de paraíso na Terra, uma vila mexicana, onde o tempo passa sem pressa e onde o então futuro “príncipe das Trevas” resolve brincar com a vida de uma das família que moram no local. Den Berghe cria um formato específico de projeção, o “tondoscope”, em que a cena inteira é vista dentro de uma esfera, como se enclausurasse as personagens na íris do espectador, o que dá uma particularidade visual ao filme, inspirado por pinturas dos séculos XV e XVI e vagamente adaptado de uma peça escrita já no século XVII. O formato curioso pode ser um pouco cansativo visualmente, mas serve bem para dar a ideia de que o paraíso não é um lugar para todos. O diretor acerta no tom, entre o farsesco e o místico, embalado por melodias da época, um tanto macabras, que acompanham a arquitetura do plano de Lucifer, ainda visto como um anjo pelas pessoas. O filme se transforma, então, num conto moral que faz uma reflexão sobre os abusos da religião e sobre a fé cega.

Paz e Amor

Paz e Amor  EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Love & Peace, Sion Sono, 2015]

Uma fantasia natalina ou uma homenagem ao cinema dos kaijus, os monstros gigantes japoneses? Um musical multicolorido ou uma alegoria crítica ao mercado fonográfico e ao culto à celebridade? Em mais um capítulo ousado de sua carreira, o japonês Sion Sono faz um filme limítrofe entre gêneros e tons, que mora naquele intervalo muito complexo para mente ocidental onde riso e choro se confundem e o exagero é forma de expressão. Paz e Amor é uma obra tão particular que dificilmente terá muita chance fora do Japão. Ou mesmo dentro deles. O diretor faz um esforço impressionante para criar uma fábula onde brinquedos ganham vida e animais podem falar, mas, num mundo cheio de cenas em CGI, os efeitos simples, que têm por base o movimento das marionetes, atrai mais gargalhadas do que olhares encantados. A maneira despudorada como Sono se permite namorar o ridículo é libertadora. E “Love & Peace”, a música, é uma das melhores do cinema neste ano.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 10

A Seita

A Seita EstrelinhaEstrelinha½
[A Seita, André Antônio, 2015]

Crescimento desordenado das grandes cidades, ocupação dos espaços urbanos, especulação imobiliária. O assunto preferido do cinema pernambucano. Só que A Seita tem um diferencial entre seus conterrâneos: é uma ficção-científica hipster-retrô estrelada por um dândi anestesiado que acabou de chegar de volta ao Recife, vindo das colônias de Marte, onde morava com os pais. Na cidade, quando não vaga pelas ruas desertas em busca de ruínas e de sexo rápido, recebe namorados de uma noite só encontrados em aplicativos gays. Veste-se como se estivesse num brechó e bebe vinho e olha para o nada, sem se lembrar de seus sonhos. A apatia do protagonista parece ser uma crítica a uma certa juventude acrítica, despolitizada, desprovida de maiores ambições. Este é o primeiro filme do coletivo Surto e Deslumbramento, que segundo o próprio grupo, quer fazer filmes “cada vez mais pintosos”. A deia é, por si só, excelente, mas falta ao projeto do diretor André Antonio saber que caminho tomar depois de revelar o mundo do jovem que estrela o filme. Essa falta de direção dialoga com a proposta inicial, mas não oferece uma reflexão completa para o espectador.

Sr. Holmes

Sr. Holmes EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Mr. Holmes, Bill Condon, 2015]

Sr. Holmes, baseado na novela de Mitch Cullins, A Slight Trick of Mind, segue na contracorrente da tendência cada vez mais volumosa de dar texturas mais realistas a personagens clássicos da literatura mitológica, do Rei Arthur a Drácula. Se aposta num Sherlock Holmes mais humano, resolve retratá-lo na terceira idade, aposentado, às voltas com um caso de que ele mesmo já não lembra muito bem e com uma colmeia de vespas como vilãs impiedosas. Essa opção deixa o material muito menos afetado e pouco exigente em relação à bilheteria, o que dá muita liberdade ao diretor Bill Condon, que tinha acabado de assinar os dois últimos capítulos da Saga Crepúsculo e retoma a parceria com Ian McKellen depois de 17 anos, quando os dois trabalharam juntos em Deuses e Monstros. Condon entrega o filme nas mãos do ator e McKellen, aos 76, se despe dá imponência de Magneto e Gandalf para compor uma personagem com os dois pés bem plantados no chão, mas com uma cabeça capaz das maiores viagens. Está bem diferente de seu habitual, nada empostado, livre de sua pose de lorde. É uma interpretação maravilhosa num filme que nunca pretende ser mais do que é.

Te Prometo Anarquia

Te Prometo Anarquia EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Te Prometo Anarquía, Julio Hernandez Cordón, 2015]

O cinema mexicano parece ter encontrado um tom intermediário entre os filmes agressivamente mais crus de Michel Franco e afins e os dramas familiares que fizeram história em sua filmografia. Te Prometo Anarquia aborda temas incrustrados à realidade mexicana como subemprego, violência extrema e tráfico de pessoas, mas trata desses assuntos de maneira periférica à história dos dois amigos skatistas, meio namorados, que ganham a vida vendendo doações de sangue no mercado ilegal. A promessa do título é meio artificial porque o filme segue um roteiro que, mesmo que guarde algumas surpresas, parece não fugir ao que foi planejado desde o esboço. Como em outros filmes mexicanos, este retrata uma geração apática e aculturada em relação a seu país. O foco no cotidiano dos protagonistas e a câmera natural mostram o descompromisso das personagens com o que está em sua volta, mas o que parece forçado em outros longas mexicanos aqui flui com uma certa naturalidade. José Hernández Cordón parece buscar a força vital de suas personagens nesse espírito perdido. Há uma referência a Os Esquecidos, clássico do cinema social mexicano assinado por Luís Buñuel que surge quando o roteiro tenta se livrar do esquema e encontrar mais seriedade no projeto.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 9

A Academia das Musas
A Academia das Musas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[La Academia de las Musas, José Luís Guerín, 2015]

A Academia das Musas transita por vários níveis de cinema. Os créditos, a câmera e as cenas iniciais vendem um documentário sobre um professor de filologia que debate com seus alunos em sala de aula o amor, a arte e a inspiração. Para Raffaele Pinto, o amor é uma criação dos poetas e as musas são essenciais para que os artistas produzam seus conteúdos intelectuais, o que gera uma discussão em especial com suas alunas, que vêem nesta condição da mulher como objeto do desejo uma postura machista que reproduz séculos de cultura patriarcal. Como debate intelectual, o filme pode ser delicioso para quem se interessar pela verborragia interminável dos discursos entre professor e estudantes, entre os alunos, e entre o mestre e sua esposa, em casa. As discussões acontecem de maneira tão orgânica quanto Guerín dispõe sua câmera, quase um outro personagem no filme, que fica íntima dos interlocutores acompanhando cada tópico dentro da classe ou através dos vidros da casa, do carro e da cafeteria para onde os debates migram naturalmente. E, deste mesmo modo natural, quando amplia o espaço da palavra, quando leva teorias e conceitos para fora da sala de saula, o diretor transforma seu próprio filme, que incorpora suas discussões à própria vida e, de maneira quase invisível, transforma aquelas pessoas em personagens e aquele documentário vira uma ficção, que vai explorar as mesmas ideias debatidas nas aulas, levando-as a cabo, registrando na prática o que se debateu no verbo: toda mulher tem o desejo e a obrigação de ser uma musa? O amor existe ou é invenção da arte? A perguntas como essas, Guerín adiciona pelo menos mais dumas: o que é vida e o que é simulacro? Onde termina o registro e começa a criação?

O Fim da Turnê

O Fim das Turnê EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[The End of the Tour, James Ponsoldt, 2015]

Recriar personagens reais sempre será um dilema para o cinema já que reverenciar um artista é mais fácil do que enxergá-lo como um ser humano comum e uma personagem com funções específicas dentro de um roteiro. Mas James Ponsoldt faz isso de maneira delicada em O Fim da Turnê, em que conta a história verdadeira do encontro entre o repórter da Rolling Stone David Lipsky com o escritor David Foster Wallace. O cineasta se livra de alguns maneirismos indies de seu último filme, o correto O Maravilhoso Agora, para tocar um projeto mais abrangente, que tem um público um pouco maior em mente. A dupla de protagonistas acompanha a transformação do diretor: é o primeiro filme em que Jesse Eisenberg não interpreta Jesse Eisenberg em anos e Jason Segel abre mão dos trejeitos das comédias que costuma estrelar para compor uma personagem fascinante, difícil mesmo, porque vive numa linha muito tênue entre a condescendência para com o escritor real e a infantilização já que Wallace era um homem de muitas delicadezas e ingenuidades. Mas o tom encontrado é outro: Ponsoldt mostra como Lipsky ficou encantado pela simplicidade da mente naïve do escritor e o trabalho excepcional de Segel faz com que o espectador compartilhe esse encantamento com ele. A cena pós-créditos é tão ingênua quanto Wallace parecia ser, não significa muita coisa para a história do filme, mas diz muito mais coisas sobre a história do homem.

The Lobster

The Lobster EstrelinhaEstrelinha
[The Lobster, Yorgos Lanthimos, 2015]

Yorgos Lanthimos continua firme em sua meta de denunciar a demência do ser humano – sendo demente. Se Dente Canino foi visto como uma alegoria do estado de espírito da Grécia, agora o problema é mundial. Nesta comédia romântica de ficção-científica passada num futuro não muito distante, Colin Farrell, que acabou de ficar solteiro, e é levado para um hotel onde terá um prazo para arrumar um par ou ser transformado num animal para sempre. Lanthimos não leva muito a sério sua proposta e reforça o ridículo de cada uma de suas opções para depois querer cobrar do espectador uma parceria num suposto “estudo sobre os relacionamentos humanos”. Como as personagens de seus filmes, o cineasta parece acreditar que um sistema de punições é o que movimenta o mundo, mas a reflexão morre aí. Há cenas engraçadas aqui e ali, mas o sarcasmo demente de Lanthimos parece não passar do primeiro efeito. E boa parte das piadas não tem muita graça. Pena que ele tenha que arrastar bons atores como Farrell, Rachel Weisz e Lea Seydoux para chegar a uma conclusão tão lugar comum.

Sem Ar

Sem Ar Estrelinha
[Tiempo Sin Aire, Andrés Luque & Samuel Martín Mateos, 2015]

O fato de ser um filme rodado nas Ilhas Canárias talvez seja o único motivo realmente decente para recomendar Sem Ar, mesmo que o longa mostre muito pouco do arquipélago espanhol na costa da África e se concentre em ser um dos exercícios mais maniqueístas e auto-indulgentes sobre uma mulher que sofre com os efeitos de uma “guerra civil”. Os diretores partem de um episódio de extrema brutalidade envolvendo o abuso de poder militar na Colômbia para contar a história da procura obsessiva da protagonista por um homem de seu passado. A identidade dele e os motivos dela são mantidos em sigilo. As pistas são dadas aos poucos, com flashbacks explicativos revelando traumas e culpas.Os cineastas costuram as linhas temporais de modo que cada volta ao passado traga uma revelação para a trama, disfarçada em alguns desvios dramáticos que têm por objetivo aumentar as surpresas. Fatalista, fotografado com filtros que gritam que as cenas são flashbacks, maneirista. Nada se salva.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 7

11 Minutos

11 Minutos Estrelinha½
[11 Minutes, Jerzy Skolimowski, 2015]

O polonês Jerzy Skolimowski sempre ofereceu um diferencial entre os cineastas que vinham de seu país: enquanto Polanski, Kieslowski, Zulawaski e Wajda se dividiam entre o mercado internacional, as sensibilidades poéticas e os dramas de guerra, Skolimowski presenteava o espectador com um cinema bastante pessoal, que passeava pelos gêneros e temas, mas com uma assinatura sempre impiedosa. Em 11 Minutos, o diretor parece apostar apenas e unicamente na violência da sequência final, então todo o filme funciona em torno de transformar a última cena numa catarse grandiloquente, em tom de apocalipse, em que as personagens, cujas histórias vêm sendo desenhadas em paralelo ao longo do filme, finalmente estão juntas no mesmo lugar. Por conta disso, o filme assume um fatalismo e uma fome por coincidências trágicas que remete imediatamente a Crash, de Paul Haggis, e Babel, de Alejandro Gonzalez Iñarritu, dois dos piores filmes da década passada. Embora haja muita ousadia visual nos últimos minutos, nada justifica tantos maniqueísmos e maneirismos.

Bombay Velvet

Bombay Velvet EstrelinhaEstrelinha½
[Bombay Velvet, Anurag Kashyap, 2015]

A produção de cinema indiana é a maior do mundo, mas é praticamente desconhecida fora de seu país. As regras (beijo e sexo são banidos e passíveis de punição) e os códigos (as músicas são parte da narrativa mesmo quando o filme não é essencialmente um musical) ajudam a limitar o alcance dos filmes. Bombay Velvet parece ser a tentativa de fazer um blockbuster indiano mais palatável para o resto do mundo. A superprodução conta a história da ascensão de um mafioso como uma luxuosa reconstituição de época, uma fotografia cheia de filtros vermelhos e amarelos e um tom grandioso inspirado pelos grandes filmes americanos de gângsters. Não é à tôa que Martin Scorsese deu sua benção ao projeto de Anurag Kashyap e ainda emprestou sua montadora Thelma Schoonmaker para editar o filme. O grande problema é que a preocupação com as dimensões não ajudam a dar mais corpo ou alguma assinatura a Bombay Velvet, que não passa de cinema étnico para exportação.

Em Jackson Heights

Em Jackson Heights EstrelinhaEstrelinha½
[In Jackson Heights, Frederick Wiseman, 2015]

Aos 85 anos de idade, o documentarista Frederick Wiseman sabe bem que a simples presença de uma câmera num ambiente qualquer altera o movimento natural do lugar. Em praticamente todos os filmes que fez nos últimos quase 50 anos, o cineasta tenta ficar o mais invisível que pode para, além de registrar, traduzir o local que elegeu como seu objeto. Esta regra é reprisada mais uma vez em seu último longa, Em Jackson Heights, documentário em que acompanha os moradores do bairro que dá nome ao filme (no Queen, em Nova York) em suas mobilizações sociais. Wiseman sempre teve uma preocupação política grande com o que filma e aqui retrata as lutas dos pequenos comerciantes que tentam se organizar contra a especulação imobiliária, a comunidade gay que quer recuperar as conquistas históricas do bairro, pólo de luta contra o preconceito, e as famílias de imigrantes, sempre às voltas com o subemprego e a ameaça de extradição. Muitas e muitas cenas do filme são registros de reuniões, encontros e discursos. No intervalo desses momentos, o diretor passeia pelas ruas, mostra o aniversário de um ex-prefeito da cidade e invade a cozinha de um restaurante popular. Liga a câmera e deixa a vida acontecer, sem interferir em nada. A consciência e o poscionamento sobre o que está sendo mostrado é de total responsabilidade de quem assiste ao filme.

Iris - Uma Vida de Estilo

Iris – Uma Vida de Estilo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Iris, Albert Maysles, 2014]

Como Wiseman, Albert Maysles (geralmente em parceria com o já falecido irmão David), é um dos maiores documentaristas vivos. Foi ele quem fez os clássicos absolutos Caixeiro Viajante e Grey Gardens. Maysles tem 90 anos e ainda está na ativa. E em Iris, lançado no ano passado, o veterano cineasta presta uma homenagem merecida a uma das mulheres mais importantes para o mundo da moda nos últimos 50 anos, Iris Apfel, um vulcão hoje com 94 anos, referência em decoração de interiores, acessórios e no mundo fashion em si, embora seja praticamente desconhecida fora dele. O filme registra o cotidiano de Iris, que, à época das filmagens, se dividia entre a vida com o marido e companheiro de décadas, Carl, e uma rotina impressionante de compromissos profissionais. A personagem fala por si: verborrágica, irônica, sarcástica, sempre muito maquiada e usando roupas coloridas e dezenas de colares e pulseiras, Iris é o próprio evento e Maysles captura essa essência num delicioso documentário de 74 minutos, rodado pouco antes da morte de Carl. Embora a estrutura seja bem mais clássica do que a do filme sobre as Bouvier Beale, Iris nada fica devendo às moradoras de Grey Gardens.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 6

Boi Neon

Boi Neon EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Boi Neon, Gabriel Mascaro, 2015]

Num bate-papo pós-sessão, Gabriel Mascaro disse que um dos fundamentos do filme era criar expectativas para depois quebrá-las. Embora talvez esse não deve ser um objetivo, mas uma consequência, está nessa frustração de expectativas um dos maiores trunfos de Boi Neon, segunda ficção propriamente dita de Gabriel Mascaro. Propriamente dita porque seus documentários sempre circularam pela intersecção entre os dois gêneros, o que trouxe para seus roteiros ficconais uma naturalidade rara de se encontrar. A primeira grande negação de Mascaro é com o Nordestes idealizado. O filme nunca coloca seca, miséria ou a vida “pitoresca” do nordestino no centro da trama. Pelo contrário, isso praticamente não existe no filme, que se move em torno da personagem principal, um vaqueiro que sonha em ser costureiro, sem dar muita bola para as explicações ou os desdobramentos dessa situação. Iremar nunca tem a orientação sexual questionada. Por sinal, sua masculinidade é reforçada em vários momentos, seja na cena de sexo, seja na aliviada matinal, seja no banho coletivo. Mascaro examina o corpo de seu protagonista da mesma maneira que ele utiliza os corpos dos manequins que coleta para vestir suas criações. Juliano Cazarré está impecável: bruto e delicado ao mesmo tempo, com um sotaque pernambucano irrepreensível. Virou mesmo um grande ator. Ao seu lado, Maeve Jinkings interpreta uma caminhoneira sem trejeitos, discreta. O elo mais fraco do elenco é Vinícius Oliveira, que embora se esforce como o silencioso Junior raramente acerta no acento e fica apático durante a maior parte do filme. A quimíca entre o trio de atores profissionais com os dos vaqueiros que compõem o time principal de personagens é essencial para que Boi Neon funcione como um recorte de uma região que raramente consegue ser representada com tanto desprendimento.

Califórnia

Califórnia EstrelinhaEstrelinha½
[Califórnia, Marina Person, 2015]

A estreia de Marina Person como diretora de ficção é uma simpática história de coming of age em que todos os elementos parecem estar no lugar, mas onde falta uma certa ambição. O objetivo central de Califórnia parece ser contar uma história do início dos anos 80, época em que a diretora era adolescente, coletando músicas e referências pop em geral para reproduzir comportamentos, condições e passar rapidinho pela situação política do país na época. Esse contexto musical se sobrepõe a tudo no filme porque é quando Marina está sendo mais nostálgica e pessoal. Pelo menos umas 15 canções escolhidas a dedo pela cineasta movimentam as cenas mais importantes do filme, como “The Caterpillar”, do The Cure, ou “Love Will Tear Us Apart”, do Joy Division (e tem Smiths, Cocteau Twins e Echo and the Bunnymen), e é nesses momentos em que Califórnia é mais sincero e o espectador se aproxima mais da história da jovem que sonha com a viagem para os EUA para encontrar seu tio preferido enquanto se envolve com dois garotos da escola. No mais, o filme não acrescenta muito a temas como “primeira vez” ou AIDS. O que realmente conta para Marina Person é a nostalgia de um tempo em que as músicas faziam mais sentido e as coisas pareciam bem mais simples.

Francofonia

Francofonia EstrelinhaEstrelinha
[Francofonia, Aleksandr Sokurov, 2015]

Aleksandr Sokurov aumentou o intervalo entre seus filmes de ficção. Se antes lançava novos trabalhos a cada um ou dois anos, nos últimos tempos passou a esperar pelo menos quatro para lançar Fausto e agora Francofonia. No filme, produzido e estrelado pelo Museu do Louvre, o cineasta russo exercita tanto sua faceta documental, que sempre foi bastante forte em sua filmografia, e a ficção propriamente dita, mas num formato bem mais convencional do que estamos acostumados a receber. Nada dos ensaios poéticos sobre arte, vida e história que permeavam Arca Russa, nem os retratos de época barrocos que ele fez em Moloch e Taurus. Desta vez, ele utiliza uma dramatização bem tradicional para falar sobre a aliança entre o diretor do museu, Jacques Jaujard, e o general nazista Conde Wolff-Metternich, que ajudou a preservar o Louvre durante a invasão alemã em Paris na Segunda Guerra. Por outro lado, a parte documental é bem quadrada, utilizando imagens de arquivo da maneira mais clássica possível para contar a história e não avança muito em dar uma dimensão mais poética ao assunto. Faltou arte a um filme que esta falando essencialmente de um reduto de arte.

Maravilhoso Boccaccio

Maravilhoso Boccaccio EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Maraviglioso Boccaccio, Paolo & Vittorio Taviani, 2015]

Embora tenha uma ideia central que remete a um dos maiores clássicos da dupla, Kaos, inspirado em contos de Pirandello, Maravilhoso Boccaccio lembra mais os filmes de época que os próprios irmãos Taviani dirigiram nos anos 90, uma safra menos celebrada do que os feitos dos diretores na década anterior. Como no roteiro original de Aconteceu na Primavera ou na adaptação de As Afinidades Eletivas, de Goethe, as relações entre as personagens eram mais simples e a própria construção das histórias mais clássicas. Se os textos das fábulas, livremente inspiradas no Decameron de Giovanni Boccaccio, livro adaptado com mais assinatura por Pier Paolo Pasolini, são parábolas morais bem contadinhas que atendem às expectativas do espectador e remontam a uma certa zona de conforto para os diretores, falta ao filme a pungência de Pai Patrão ou A Noite de São Lourenço, dois de seus filmes mais celebrados, ou o risco de César Deve Morrer, seu trabalho anterior, cheio de fôlego e frescor, talvez sua obra mais particular.

As Memórias de Marnie

As Memórias de Marnie EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Omoide no Mânî, Hiromasa Yonebayashi, 2014]

Hiromasa Yonebayashi é o animador-chefe de todos os últimos trabalhos de Hayao Miyazaki. É ele que ajuda a dar unidade à obra do mestre dos Estúdios Ghibli, mas quando passa a cadeira de diretor os resultados ficam menos empolgantes. Depois de O Mundo dos Pequeninos, Yonebayashi assinou esse As Memórias de Marnie, adaptação da novela de Joan G. Robinson, sobre uma menina que vai para a casa dos tios, no interior, para cuidar da saúde e encontra uma criança misteriosa com quem faz amizade. Embora a história tenha contornos mágicos como todos os filmes de Miyazaki, falta ao pupilo a capacidade de brincar com a fantasia e dar aos elementos fantásticos um papel de protagonismo. Marnie é todo bem resolvido em termos de estrutura de roteiro, mas ao contrário do que o mestre fez em O Castelo Animado, quando também adaptou uma novela de uma autora ocidental, Yonebayashi não consegue transportar a história para o Japão com muito desprendimento e o filme não se livra de um certo sotaque anglo-saxão. Está cheio de belezas e qualidades, mas parece muito com uma espécie de romance feminino dos anos 70.

Mon Roi

Mon Roi EstrelinhaEstrelinha½
[Mon Roi, Maïwenn, 2015]

Políssia, embora tivesse algumas simplificações e soluções fáceis de roteiro, era um filme-painel ágil e bem interessante sobre a divisão da polícia francesa de proteção a crianças, com um elenco grande e bem dirigido pela atriz-que-virou-cineasta, Maïwenn. Mas o trabalho seguinte da francesa, seu quarto longa como diretora, tem resultados bem mais contraditórios. Se de um lado, busca retratar com o máximo de realidade possível os bastidores de um casamento conturbado, o filme não raramente invade os limites do histriônico e assume algumas posturas próximas bem questionáveis, namorando perigosamente com a misoginia. O filme se passa em duas linhas temporais paralelas: no presente, Tony acaba de sofrer uma acidente na montanha e vai para uma clínica onde vai se recuperar de uma perna lesionada. No passado, ela reencontra Georgio, um flerte da juventude, e os dois rapidamente engatam um namoro e um casamento. Como manda o clichê, o príncipe encantado esconde defeitos que só a convivência poderia revelar e, dia a dia, Tony descobre novos problemas em seu relacionamento. O grande senão de Maïwenn é como ela administra essa mudança nas personagens. Aos poucos, a diretora transforma Tony numa mulher histérica e Georgio, num canalha natural. Os estereótipos só não viram monstros maiores porque tanto Emmanuelle Bercot quanto Vincent Cassel são ótimos atores e estão muito bem em suas personagens quando o roteiro não os condena demais. E se Maïwenn é bastante tolerante com o marido, a diretora parece condenar a personagem da esposa, como se Georgio tivesse o comportamento de qualquer homem e se Tony não tivesse tido a força necessária para perceber e enfrentar isso.

Sangue Francês

Sangue Francês EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Un Français, Diastème, 2015]

Somente após sete anos, o diretor Diastème voltou a assinar um longa-metragem, seu segundo. Mas a espera valeu a pena. Embora Sangue Francês tente dar conta de muita coisa em pouco tempo, este é realmente um trabalho forte em seu impacto e delicado em como registra a transformação de uma personagem sem recorrer a cenas catárticas e “rituais” de mudança. Marco é um jovem que integra um grupo neonazista que comete agressões físicas, psicológicas e humilhações a árabes e estrangeiros em geral pelas ruas de Paris. O cineasta é bem enfático nas cenas, de uma brutalidade chocante, mas consegue encontrar o tom exato para mostrar que a violência extrema do protagonista e de seus amigos é sua forma torta de expressão. Mesmo se aproximando tanto dessas personagens, Diastème nunca facilita as coisas para elas. Nos primeiros dez minutos de filme, o espectador já odeia Marco e seu grupo. É por isso que a construção da mudança do protagonista é tão bem feita. Ele começa a questionar aos poucos, e silenciosamente, seu comportamento e as coisas em que acredita. Diastème assumiu um risco grande com a maneira como conduz as coisas porque o filme que começa em ebulição realmente perde o punch à medida em que Marco se transforma. Mas o efeito é válido porque o filme muda junto com o protagonista. Há um certo clima de lição de moral no ar, mas que o diretor dilui na falta de catarses. A pretensão do filme talvez seja querer personificar em Marco a mudança de postura da França, o que fica meio evidente em várias cenas ao longo do filme. Mas, dessa maneira, “o francês” do título original e o “sangue francês” do nome internacional passam a fazer bastante sentido.

Stop

Stop Estrelinha
[Seu-top, Kim ki-duk, 2015]

Kim ki-duk, o coreano que todo mundo adora odiar – e que geralmente faz por merecer – ataca novamente. Desta vez, o diretor de Time, Pietà e Moebius se muda para o Japão e utiliza a tragédia na usina nuclear de Fukushima para lançar um manifesto contra o desperdício de energia em todo o planeta, com direito a créditos com números sobre o assunto no final. Tudo bem, caso a realização não fosse tão tosca. O primeiro problema, como de praxe, é o roteiro: ki-duk cria personagens bidimensionais, completamente desinteressantes, é simplório demais em tentar explicar suas motivações e parece incapaz de criar diálogos minimamente decentes. A escolha dos protagonistas também não ajuda: Tae-woong Eom e Ryeowon Jungum formam casal apático, impossível de se defender. É uma tortura acompanhar sua via crucis pelo inferno do cruel mundo de hoje, como quer Kim ki-duk, cheio de conspirações governamentais e um fatalismo dominante. Seu grito de alerta ambiental parece tão tosco quanto o resto de seu cinema, à exceção de Casa Vazia, e tão desonesto quanto alguém que acabou de descobrir contra o quê é o protesto, mas já chegou com um cartaz.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 5

600 Milhas

600 Milhas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[600 Millas, Gabriel Ripstein, 2015]

Uma bela surpresa esse 600 Milhas. O indicado oficial do México para concorrer a uma vaga no Oscar de filme estrangeiro – não sabemos até quando porque 70% do longa é falado em inglês – leva a assinatura de Gabriel Ripstein, filho do cineasta Arturo Ripstein. O grande mérito deste filme de estreia é trabalhar com uma sucessão de quebra de expectativas que vai até a polêmica cena final. O filme tem produção de Michel Franco, do grotesco Depois de Lucia, ameaça namorar com esse novo cinema tru mexicano, mas aponta para outras possibilidades. O diretor já apronta para o espectador na sequência de abertura, em que introduz um protagonista falso, que vai perdendo espaço ao longo do filme. Também parece oferecer um tema, que vai se desdobrando em outro e em outro e em outro, até que não sobre mais muita coisa do que foi proposto no começo. Por fim, cria uma relação forte entre os dois verdadeiros protagonistas apenas para mostrar com as linhas são tênues quando a sobrevivência e a preservação da espécie está em jogo. A cena final é uma das melhores coisas dos últimos tempos.

Beira-Mar

Beira-Mar EstrelinhaEstrelinha½
[Beira-Mar, Filipe Matzembacher & Marcio Reolon, 2015]

Da mesma maneira que Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, é um filme que promete mais do que cumpre por fazer apostas muito seguras. Desde o começo, por menos que explique quem são aqueles dois jovens, os diretores parecem apostar que o espectador quer que eles fiquem juntos. A viagem da dupla até uma praia do Rio Grande do Sul para resolver um assunto ligado à herança de um deles é embalada por uma trilha melancólica, paisagens tristes, festas cheias de momentos de silêncio e muitos olhares. Essa embalagem tem uma construção delicada e até funciona, mas culmina no grande lugar comum do encontro entre dois amigos bêbados. O resultado é um filme bonito, que certamente vai criar uma empatia com o público jovem, mas que poderia ser bem mais ousado em vez de apenas seguir o plano inicial à risca.

Bela e Perdida

Bela e Perdida Estrelinha
[Bella e Perduta, Pietro Marcello, 2015]

Esse filme italiano, premiado no Festival de Locarno, é um caos completo. Primeiro, se apresenta como uma fábula cheio de elementos mitológicos e personagens fantásticos, mas logo depois vira uma ficção realista, entrecortada por uma série de imagens documentais para, por fim, tentar casar as duas linhas narrativas. Mas Pietro Marcello, que vem de uma carreira na direção de documentários, não consegue equilibrar as coisas e o resultado é uma bagunça sem tamanho. O mais irritante é tentar fazer um filme lindo a cada cena, apostando numa suposta poesia de ter como protagonista uma personagem clássica da comedia dell’arte italiana, o Pulcinella, uma espécie de palhaço de caráter dúbio que, segundo diz no próprio filme, é imortal. Para dar corpo a esse tom poético, o diretor elabora planos bonitos, estragados pela fotografia cheia de filtros excessivos e pela trilha, sempre um compasso a mais. No fim, Bela e Perdida nem funciona como obra de arte nem como obra social, ambição dupla do diretor.

Escritório

Escritório EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Hua lI shang ban zou, Johnnie To, 2015]

Fazia cinco anos que Sylvia Chang, veteraníssima atriz de Taiwan, não fazia um filme sequer. Em 2015, além de estrelar o novo longa de Jia Zhang-ke, ela não apenas atua, mas também escreveu o roteiro de Escritório, versão para o cinema de um espetáculo musical estrelado por ela sete anos atrás. O mais surpreendente dessa história é que este filme é assinado por outro veterano do cinema chinês, Johnnie To, conhecido pelas histórias policiais e cheias de ação. To utiliza sua experiência num cinema físico para criar cenas intensamente orquestradas, ensaiadas e construídas em favor da plástica e do movimento para seu filme, que foi concebido para cinemas 3D. Essa agilidade que o diretor impõe ao longa faz um par bastante interessante com o texto de Chang, uma observação bem pé-no-chão sobre o mercado financeiro e a crise de 2008. Emoldurar essa visão política da situação num musical clássico, com músicas a cada dez, quinze minutos, é uma tarefa para poucos. Talvez não seja um dos melhores filmes recentes de Johnnie To, mas certamente é um dos mais ousados em sua cinematografia.

Montanha da Liberdade

Montanha da Liberdade EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Ja-yu-eui eon-deok, Hong Sang-soo, 2014]

Hong Sang-soo está em programa duplo no Festival do Rio e, em ambos os casos, emula Woody Allen. Mas aqui a influência do baixinho americano é muito mais escancarada: tanto no humor sem jeito quanto nas locações e na movimentação dos protagonista. Há uma brincadeira metalinguística bem interessante que acontece quando uma personagem deixa cair várias páginas no chão e a estrutura das cenas fica completamente fora de ordem. Interessante a escolha de um ator japonês, o ótimo Ryô Kase, para o papel principal. Ele e So-ri Moon, com quem Sang-soo já havia trabalhado em alguns filmes, formam uma dupla em constante ebulição, que nunca perde o fôlego. As ideias do filme não são necessariamente novas, mas têm uma vitalidade interminável que a curtíssima duração, 67 minutos, só ajuda. Embora Right Now, Wrong Then pareça um filme mais forte, este aqui que tem muitos elementos em comum com ele, é uma experiência mais prazerosa.

Pecados Antigos, Longas Sombras

Pecados Antigos, Longas Sombras EstrelinhaEstrelinha½
[La Isla Mínima, Alberto Rodríguez, 2014]

A Espanha vem se especializando em realizar filmes policiais bem acabados, decupados, apurados, mas limpinhos demais. Pecados Antigos, Longas Sombras, vencedor de vários Goyas, é mais um exemplar deste cinema aparentemente refinado, mas fortemente genérico, sem assinatura. Alberto Rodríguez administra uma trama bem construída sobre a chegada de dois policiais de Madrid numa região isolada do país para investigar o desaparecimento de duas adolescentes. Mas não sabe evitar muito bem os clichês: os dois policiais têm comportamentos completamente opostos, tipo good cop, bad cop; todos os moradores da cidade têm segredos a esconder e existe uma rede do mal que une todos. Raúl Arévalo, o policial bonzinho, é um dos comissários de bordo de Amantes Passageiros, de Pedro Almodóvar.

Tribunal

Tribunal EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Court, Chaitanya Tamhane, 2014]

Bollywood garante muitos momentos de diversão, mas de vez em quando é bom ver que a Índia ainda sabe fazer um cinema mais sério, com uma forte observação social. Em seu primeiro longa-metragem, Chaitanya Tamhane parte da morte de um servidor público e da consequente acusação contra um ativista político por ele supostamente ter influenciado o homem a cometer suicídio para elaborar um painel sobre o funcionamento da sociedade indiana. Da maneira como as pessoas se comportam em suas vidas privadas, que vão sendo examinadas à medida que o julgamento vai acontecendo, à própria mecânica do sistema judiciário do país, para o qual a imagem da cobra que morde o próprio rabo seria uma bela metáfora. Irônico, mas sem nunca perder a seriedade, Tamhane realiza uma obra humana acima de tudo.

Zoom

Zoom Estrelinha
[Zoom, Pedro Morelli, 2015]

Cinema adolescente com roteiro adolescente, piadas adolescentes e uma sensação adolescente de que tudo aquilo é extremamente original. Pedro Morelli tinha feito um trabalho consideravelmente melhor em Entre Nós, que nem era um grande filme, mas pelo menos era mais coeso e bem menos pretensioso. Talvez o pulo para uma produção internacional tenha redimensionado as coisas – pro lado errado. Trabalhar com um elenco internacional e majoritariamente em inglês pode ter influenciado em encontrar uma trama mais truqueira, que reprisa aquela velha máxima das histórias paralelas que têm relação entre si – relação esta que aqui encontrou o pior gancho possível. Mariana Ximenes ficou robótica atuando em inglês e a virada de sua personagem é a mais tosca do filme. Allison Pill, sempre simpática, tenta encontrar algum caminho mais interessante embora sua personagem seja boba demais. O maior acerto é deixar a narrativa de Gael García Bernal toda em animação, mas isso não é suficiente para fortalecer o conjunto.

2 Comments

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 4

Dope

Dope EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Dope, Rick Famuyiwa, 2015]

Dope é uma deliciosa Sessão da Tarde. Com drogas, mas uma Sessão da Tarde. E grifo no “deliciosa”. O filme de Rick Famuyiwa tem na lista de produtores Sean Combs, Forrest Whitaker e Pharrell Williams, que assina uma das músicas. Se sobrou dinheiro, não faltaram elementos para fazer o filme funcionar nas bilheterias. Apesar de ser um filme black, Dope é bastante universal: é uma daquelas comédias de aventura em que o protagonista se mete numa enrascada por engano e passa o filme todo tentando resolver o problema. Para manter o “sotaque”, tem palavrões na medida certa. Para manter a ingenuidade, os personagens principais não estão nada interessados na montanha de droga que foi parar nas mãos deles. Mesmo assim, limpinho, o filme conquista facilmente com um humor incessante, que brinca com a mitologia do universo pop black, desfila referências e remonta às comédias de situação de outros tempos. Shameik Moore é um talento. E faz um trio afinado com Kiersey Clemons e Tony Revolori, de O Grande Hotel Budapeste. É inofensivo, mas guarda sua pimenta para criar um belo diferencial como na montagem espertinha que às vezes parece simular um DJ discotecando.

Não é um Filme Caseiro

Não é um Filme Caseiro EstrelinhaEstrelinha½
[No Home Movie, Chantal Akerman, 2015]

Que ninguém espere um novo Jeanne Dielman porque este filme de Chantal Akerman é justamente o que o título diz que ele não é. A cineasta que vive viajando o mundo resolveu filmar a mãe, Natalia, já bem idosa, a cada retorno seu para a Bélgica. Os encontros são gravados sem que a diretora apareça em primeiro plano – ela quase sempre está de costas ou em off – e mostram a rotina da mãe, entre refeições, sonecas e conversas cotidianas. Tudo é gravado no apartamento onde ela mora, em Bruxellas. A cada cena, Akerman parece que vai abrir um pouco da vida de sua família, mas termina muito mais mostrando que o estado de saúde de Natalia está gradativamente mais frágil. Em alguns momentos, a diretora parece expor até agressivamente a mãe, como quando ela a acorda apenas para sorrir para a câmera, mas na maior parte do tempo é como se Chantal quisesse se preparar para uma despedida. As longas cenas de paisagens e estrada que cortam os encontros com a mãe incomodaram bastante o público da sessão, mas parecem ser a forma da cineasta explicar a distância e a saudade que sente de Natalia.

Tangerina

Tangerina EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Tangerine, Sean Baker, 2015]

Tangerina é como se fosse um filme de John Waters sem a escatologia. Para se aproximar das personagens, Sean Baker filma tudo com um iphone e mantém um estilo documental quase amador para filmar Sin-Dee e Alexandra, fazendo com que o espectador fique bem próximo delas e de sua realidade. Baker não tem pudores em assumir tiques, expressões, gírias e um modo de ver o mundo das transexuais que trabalham nas ruas de Los Angeles, o que deixa tudo muito mais verdadeiro por mais fake que as interpretações ou o fiapo de roteiro sejam. O filme acompanha uma trans que acaba de sair da cadeira e descobre que seu namorado está pegando outra. É aí que o filme lembra John Waters que tinha aquela capacidade esplêndida de tornar tudo tão baixo e tão vivo, elegendo figuras à margem como protagonistas e nunca menosprezando suas questões que podem parecer mundanas ou banais demais para a família tradicional. Com seu namoro como este universo invisível, Baker faz um filme político baixo, mas de primeira grandeza. Tangerina é um sopro de vida no cinema indie americano que anda cada vez mais industrial.

1 Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha

Festival do Rio 2015: diário de viagem – post 3

Green Room

Green Room EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Green Room, Jeremy Saulnier, 2015]

Green Room é a renovação do suspense americano. Difícil encontrar um filme que administre tão bem a tensão nos últimos cinco ou mais anos. Jeremy Saulnier, em seu terceiro longa, cria uma obra claustrofóbica e despudorada, sem compromisso algum com as expectativas do espectador, os nomes conhecidos do elenco ou com o protagonismo ou os perfis das personagens. Seu filme existe exclusivamente em favor da construção de um estado de suspense e ele não poupa curvas de roteiro para atingir seu intento, sem que elas sejam meros truques ou reviravoltas gratuitas. Ao situar a história em um clube noturno de punk rock no meio do mato, o diretor adiciona elementos de um universo muito específico, o que foge do lugar comum e potencializa as possibilidades de brincar com as situações. Mas Saulnier nem parece tão disposto a brincar. Seu maior objetivo é mexer com o lado primal de quem assiste ao filme. Essa é sua maior qualidade, embora Green Room ainda guarde alguma poesia – suja como qualquer música punk.

Os Irmãos Lobo

Os Irmãos Lobo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[The Wolfpack, Crystal Moselle, 2015]

Eis um caso em que o evento real em si é mais forte do que a realização do documentário sobre ela, mas isso termina importando pouco em Os Irmãos Lobo. Durante um passeio na Quinta Avenida, em Nova York, a diretora Crystal Moselle descobriu a história impressionante do casal que manteve seus sete filhos confinados num apartamento por 14 anos e decidiu transformar o encontro num dos filmes mais assombrosos do ano. Nas várias visitas à casa da família Angulo, ela registra a obsessão dos pais pelo isolamento, o amor quase doentio dos filhos por filmes e tenta encontrar explicações para o funcionamento daquele núcleo familiar. Um dos maiores trunfos do filme é tornar o espectador tão íntimo daquela realidade que a estranheza das situações ganha um tom de parceria, como se os jovens Angulo nos convidassem a conhecê-los em seus momentos mais pessoais, da mesma maneira que as Bouvier Beale em Grey Gardens. A diferença é que Big e Little Edie estavam fascinadas em chamar a atenção de uma câmera e os Angulo, tão aficcionados por filmes, se encantam com a possibilidade de serem, eles mesmos, o cinema.

Mia Madre

Mia Madre EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Mia Madre, Nanni Moretti, 2015]

Dono de um acervo de filmes que passeiam pelo humor e pelo melodrama, Nanni Moretti, em seu último longa, parece mais interessado em realizar um grande melodrama, como fez com O Quarto do Filho. Embora Mia Madre seja cheio de comédia, o foco aqui é em como a protagonista, a ótima Margherita Buy, administra uma espécie de luto antecipado pela mãe, que está doente. É o filme mais familiar e pessoal do cineasta em muito, muito tempo e talvez sofra um pouco por causa de sua pequena participação como ator, como se Moretti entregasse a assinatura do projeto para Buy. Ela continua lindíssima e está tocante no papel da diretora que se despede gradativamente da mãe, sentindo as consequências disso no trabalho. O que enfraquece o longa são justamente as cenas das filmagens. A metalinguagem não funciona muito bem talvez por Moretti não ser o protagonista. O casamento das duas narrativas nunca é totalmente satisfatório e a entrada em cena da personagem de John Turturro, bastante exagerado, não ajuda muito. Ainda assim, Mia Madre tem uma delicadeza que poucos diretores conseguem ter quando o assunto é família.

Leave a Comment

Filed under Festival do Rio, Mostras, Resenha