Monthly Archives: novembro 2010

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1

Daniel Radcliffe

Emma Watson

Rupert Grint

A cena final de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 parece o gancho final de um último episódio de temporada de série de TV. A deixa para o segundo e o derradeirto filme baseado no livro que encerra a saga do pequeno bruxo é meio frouxa, deixando a sensação de golpe no ar. Será que realmente não daria para, como aconteceu em todos os outros livros, cortar cenas, simplicar a história e fazer apenas um filme, mais coeso, focado e ágil? Provavelmente, sim. Mas a opção pela divisão em duas partes garantiu a esse longa-metragem sua maior qualidade, a desaceleração.

David Yates, o diretor que mais fez Harry Potters, aproveitou a ordem do estúdio, apostou no carisma dos personagens para segurar o público e ousou: fez um filme com muitos momentos introspectivos, várias vezes um filme contemplativo, que abre espaço para cenas que parecem estranhas a um filme direcionado a um público que quer velocidade. Cenas em que não há ação propriamente dita, mas que dão a Yates a oportunidade de trabalhar as relações entre os personagens.

As Relíquias da Morte – Parte 1 é sobre Harry, Ronny e Hermione, sobre os laços que os unem, o amor que sentem um pelo outro e as responsabilidades que têm entre si. A primeira cena que indica esse caminho é aquela em que Ronny segue Harry, que está fugindo de casa. A segunda é quando Hermione precisa decidir entre os dois. Yates trata esse triunvurato com tanta delicadeza que esse bastidor ganha importância igual ou maior do que o início da caçada pelas relíquias que tornam seu proprietário imbatível.

Daniel Radcliffe
Dobby
Ralph Fiennes

Com a possibilidade de dar um respiro nas sequências de ação – que existem, são boas (não espetaculares), mas não ganham tanto destaque – o cineasta imprimiu um clima melancólico ao filme, que se reflete desde a interpretação mais madura dos três personagens principais até a composição visual, com cores em tons frios, enquadramentos que valorizam a introspecção do protagonista, planos abertos que capturam a tristeza de algumas cenas, como na belíssima sequência em que um dos personagens morre nos braços de Harry. A trilha, assinada pelo grande Alexandre Desplat, acompanha o tom sofrido do filme.

Há cenas que parecem sobrar no filme. Cenas que no livro provavelmente são melhor resolvidas, mas que na tela parecem apêndices desnecessários à narrativa principal. Mas como essas cenas estão relacionadas à proposta de Yates de focar a história no trio principal, elas incomodam menos do que aconteceria se o filme priorizasse a historinha. Daniel Radcliffe está num de seus melhores momentos na série e Rupert Grint e Emma Watson, que há tempos não ganhavam tanto destaque num filme, podem mostrar que ainda têm o mesmo frescor de nove anos atrás, quando a cinessérie começou.

O tão falado beijo entre Harry e Hermione deve frustrar muita gente. Incrível como as coisas mais idiotas ganham espaço maior. Entendo quem acha o filme lento, quem reclama do ritmo, quem queria mais ação. Mas acho que David Yates fez exatamente o filme que planejou. E isso possibilitou mergulhar mais fundo nos personagens que, se não ganharam nosso coração, tomaram uma parte preciosa do nosso tempo nos últimos anos.

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Harry Potter and the Deathly Hollows - Part 1, David Yates, 2010]

3 Comments

Filed under Resenha

Oscar 2011: apostas em 17/11

Começo aqui minha primeira rodada de apostas sérias para o Oscar 2011. Os palpites cobrem todas as categorias para longa-metragens. Primeiro listo os filmes que eu acho que serão indicados por categoria (de acordo com os números de vagas que a Academia oferece para cada quesito).

Ainda coloquei duas alternativas às apostas oficiais (exceto nas categorias de filme e filme estrangeiro, onde coloquei cinco alternativas. As estrelinhas são minha avaliação pessoal para cada indicado.

David Fincher

filme

1 A Rede Social EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, David Fincher
2 Toy Story 3 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Lee Unkrich
3 127 Hours, Danny Boyle
4 The King’s Speech, Tom Hooper
5 Minhas Mães e Meu Pai EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Lisa Cholodenko
6 The Fighter, David O. Russell
7 Bravura Indômita, Joel e Ethan Coen
8 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Christopher Nolan
9 Cisne Negro, Darren Aronofsky
10 The Way Back, Peter Weir

alternativas: 1 Winter’s Bone, Debra Granik; 2 Another Year, Mike Leigh; 3 Atração Perigosa EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Ben Affleck; 4 Rabbit Hole, John Cameron Mitchell; 5 Made in Dagenham, Nigel Cole.

Danny Boyle, James Franco

direção

1 David Fincher, A Rede Social EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
2 Danny Boyle, 127 Hours
3 Tom Hooper, The King’s Speech
4 Joel e Ethan Coen, Bravura Indômita
5 Christopher Nolan, A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha

alternativas: 1 Darren Aronofsky, Cisne Negro; 2 David O. Russell, The Fighter.

Colin Firth Tom Hooper

ator

1 Colin Firth, The King’s Speech
2 James Franco, 127 Hours
3 Robert Duvall, Get Low
4 Javier Bardem, Biutiful
5 Jesse Eisenberg, A Rede Social EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha

alternativas: 1 Jeff Bridges, Bravura Indômita; 2 Ryan Gosling, Blue Valentine.

Nicole Kidman John Cameron Mitchell

atriz

1 Annette Bening, Minhas Mães e Meu Pai EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
2 Jennifer Lawrence, Winter’s Bone
3 Natalie Portman, Cisne Negro
4 Nicole Kidman, Rabbit Hole
5 Lesley Manville, Another Year

alternativas: 1 Sally Hawkins, Made in Dagenham; 2 Michelle Williams, Blue Valentine.

Christian Bale

ator coadjuvante

1 Christian Bale, The Fighter
2 Mark Ruffalo, Minhas Mães e Meu Pai EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
3 Geoffrey Rush, The King’s Speech
4 Andrew Garfield, A Rede Social EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
5 Sam Rockwell, Conviction

alternativas: 1 Ed Harris, The Way Back; 2 Matt Damon, Bravura Indômita.

Miranda Richardson

atriz coadjuvante

1 Helena Bonham-Carter, The King’s Speech
2 Dianne Wiest, Rabbit Hole
3 Amy Adams, The Fighter
4 Melissa Leo, The Fighter
5 Miranda Richardson, Made in Dagenham

alternativas: 1 Hailee Steinfeld, Bravura Indômita; 2 Kristin Scott Thomas, O Garoto de Liverpool EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha.

Annette Bening Julianne Moore

roteiro original

1 The King’s Speech, David Seidler
2 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Christopher Nolan
3 Minhas Mães e Meu Pai EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Lisa Cholodenko, Stuart Blumberg
4 Blue Valentine, Derek Cianfrance , Joey Curtis, Cami Delavigne
5 Another Year, Mike Leigh

alternativas: 1 The Fighter, Eric Johnson, Scott Silver, Paul Tamasy; 2 Cisne Negro, Andres Heinz, Mark Heyman, John J. McLaughlin.

Lee Unkrich Pixar Disney

roteiro adaptado

1 A Rede Social EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Aaron Sorkin
2 127 Hours, Danny Boyle, Simon Beaufoy
3 Winter’s Bone, Debra Granik, Anne Rosellini, Daniel Woodrell
4 Toy Story 3 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Michael Arndt
5 Bravura Indômita, Ethan Coen, Joel Coen

alternativas: 1 The Way Back, Keith R. Clarke, Peter Weir; 2 Rabbit Hole, David Lindsay-Abaire.

Dean Deblois, Chris Sanders

animação

1 Toy Story 3 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Lee Unkrich
2 Como Treinar Seu Dragão EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Dean DeBlois, Chris Sanders
3 O Mágico EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Sylvain Chomet

alternativas: 1 Meu Malvado Favorito EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Pierre Coffin, Chris Renaud; 2 Rapunzel, Nathan Greno
Byron Howard.

Xavier Beauvois

filme em língua estrangeira

(pré-selecionados)

1 Homens e Deuses EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (França), Xavier Beavouis
2 Biutiful (México), Alejandro Gonzalez Iñarritu
3 Quando Partimos EstrelinhaEstrelinha (Alemanha), Feo Aladag
4 A Primeira Coisa Linda EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (Itália), Paolo Virzi
5 Life Above All (África do Sul), Oliver Schmitz

alternativas: 1 Incendies (Canadá), Denis Villeneuve; 2 Tudo Que Eu Amo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (Polônia), Jacek Borcuch; 3 Aftershock (China), Xiaogang Feng; 4 Son of Babylon (Iraque), Mohamed Al-Daradji; 5 Em um Mundo Melhor EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (Dinamarca), Susanne Bier.

Banksy

documentário em longa-metragem

1 Waiting for Superman, Davis Guggenheim
2 Inside Job, Charles Ferguson
3 Exit Through the Gift Shop EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Banksy
4 Um Filme Inacabado EstrelinhaEstrelinha, Yael Hersonski
5 The Tillman Story, Amir Bar-Lev

alternativas: 1 Countdown to Zero, Lucy Walker; 2 The Lottery, Madeleine Sackler.

Martin Scorsese

fotografia

1 Bravura Indômita, Roger Deakins
2 127 Hours, Enrique Chediak, Anthony Dod Mantle
3 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Eduardo Serra
4 Ilha do Medo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Robert Richardson
5 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Wally Pfister

alternativas: 1 The Way Back, Russell Boyd; 2 Cisne Negro, Matthew Libatique.

Jeff Bridges, Joel Coen, Ethan Coen

montagem

1 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Lee Smith
2 A Rede Social EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Kirk Baxter, Angus Wall
3 127 Hours, Jon Harris
4 The King’s Speech, Tariq Anwar
5 Bravura Indômita, Roderick Jaynes

alternativas: 1 The Way Back, Lee Smith; 2 Ilha do Medo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Thelma Schoonmaker.

Daniel Radcliffe, David yates

direção de arte

1 Alice no País das Maravilhas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Robert Stromberg; Karen O’Hara, Peter Young
2 The King’s Speech, Eve Stewart; Judy Far
3 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Guy Dyas; Lisa Chugg, Paul Healy, Douglas A. Mowat
4 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Stuart Craig; Stephanie McMillan
5 Tron: O Legado, Darren Gilford; Lin MacDonald

alternativas: 1 True Grit, Jess Gonchor; Nancy Haigh; 2 Secretariat, Thomas E. Sanders; Patrick Cassidy.

Mia Wasikowska

figurinos

1 Alice no País das Maravilhas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Colleen Atwood
2 The King’s Speech, Jenny Beavan
3 Secretariat, Michael T. Boyd, Julie Weiss
4 Made in Dagenham, Louise Stjernsward
5 The Tempest, Sandy Powell

alternativas: 1 Bravura Indômita, Mary Zophres; 2 Get Low, Julie Weiss.

Joe Johnston

maquiagem

1 Alice no País das Maravilhas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
2 O Lobisomem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
3 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha

alternativas: 1 The Way Back; 2 Cisne Negro.

Mark Romanek

trilha sonora

1 The King’s Speech, Alexandre Desplat
2 Não Me Deixe Jamais EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Rachel Portman
3 Como Treinar Seu Dragão EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, John Powell
4 Bravura Indômita, Carter Burwell
5 Toy Story 3 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Randy Newman

alternativas: 1 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Hans Zimmer; 2 127 Hours, A.R. Rahman.

Waiting for Superman

canção

1 “We Belong Together”, Toy Story 3 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
2 “I See the Light”, Rapunzel
3 “If I Rise”, 127 Hours
4 “Shine”, Waiting for Superman
5 “Me and Tennessee”, Country Strong

alternativas: 1 “You Haven’t Seen the Last of Me”, Burlesque, 2 “Better Days”, Comer, Rezar, Amar.

Leonardo Di Caprio Christopher Nolan

som

1 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
2 127 Hours
3 Tron: O Legado
4 Toy Story 3 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
5 Bravura Indômita

alternativas: 1 Homem de Ferro 2 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha; 2 Como Treinar Seu Dragão EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha.

Robert Downey Jr.

edição de som

1 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
2 Toy Story 3 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
3 Homem de Ferro 2 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
4 127 Hours
5 Tron: O Legado

alternativas: 1 Bravura Indômita; 2 Robin Hood EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha.

Jeff Bridges, Tron: Legacy

efeitos visuais

1 A Origem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
2 Homem de Ferro 2 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
3 Tron: O Legado
4 Alice no País das Maravilhas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
5 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha

alternativas: 1 Scott Pilgrim contra o Mundo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha; 2 O Último Mestre do Ar EstrelinhaEstrelinha.

7 Comments

Filed under Prêmios

Mostra SP 2010: Top 20 do Chico

Apichatpong Weerasethakul
 

Xavier Beauvois
 

Raoul Ruiz

1 Tio Boonmee que Pode Recordar Suas Vidas Passadas, Apichatpong Weerasethakul
2 Homens e Deuses, Xavier Beauvois
3 Mistérios de Lisboa, Raúl Ruiz
4 Um Lugar Qualquer, Sofia Coppola
5 Politécnica, Dennis Villeneuve
6 Minha Felicidade, Sergei Loznitsa
7 Beyond, Pernilla August
8 A Rede Social, David Fincher
9 Símbolo, Hitoshi Matsumoto
10 A Primeira Coisa Linda, Paolo Virzi

11 Cópia Fiel, Abbas Kiarostami
12 Machete, Robert Rodriguez
13 Memórias de Xangai, Jia Zhang-Ke
14 Turnê, Mathieu Amalric
15 Caterpillar, Koji Wakamatsu
16 O Estranho Caso de Angélica, Manoel de Oliveira
17 Como Eu Terminei Este Verão, Alexei Popogrebsky
18 Luz nas Trevas, Helena Ignez e Ícaro Martins
19 Poesia, Chang-dong Lee
20 As Quatro Voltas, Michelangelo Frammartino

menção especial:
Os Amores de um Zumbi, Arnold Antonin

diretores

1 Apichatpong Weerasethakul, Tio Boonmee que Pode Recordar Suas Vidas Passadas
2 Raúl Ruiz, Mistérios de Lisboa
3 Xavier Beauvois, Homens e Deuses
4 Dennis Villeneuve, Politécnica
5 Sofia Coppola, Um Lugar Qualquer

roteiros

1 Mistérios de Lisboa
2 Tio Boonmee que Pode Recordar Suas Vidas Passadas
3 A Rede Social
4 Politécnica
5 Um Lugar Qualquer

atores

1 Jesse Eisenberg, A Rede Social
2 André Guerreiro Lopes, Luz nas Trevas
3 Grigori Dogrygin, Como Eu Terminei Esse Verão
4 Danny Trejo, Machete
5 Hitoshi Matsumoto, Símbolo

atrizes

1 Juliette Binoche, Cópia Fiel
2 Jeong-hee Yoon, Poesia
3 Helen Mirren, A Última Estação
4 Annette Bening, Minhas Mães e Meu Pai
5 Julianne Moore, Minhas Mães e Meu Pai

atores coadjuvantes

1 Michael Lonsdale, Homens e Deuses
2 Adriano Luz, Mistérios de Lisboa
3 Jeff Fahey, Machete
4 Mark Ruffalo, Minhas Mães e Meu Pai
5 Andrew Garfield, A Rede Social

atrizes coadjuvantes

1 Stefania Sandrelli, A Primeira Coisa Linda
2 Cássia Kiss, Bróder
3 Kristin Scott-Thomas, O Garoto de Liverpool
4 Clotilde Hesme, Mistérios de Lisboa
5 Anne-Marie Duff, O Garoto de Liverpool

fotografias

1 Turnê
2 Na Floresta
3 Politécnica
4 Tio Boonmee que Pode Recordar Suas Vidas Passadas
5 Do Amor e de Outros Demônios

montagens

1 Politécnica
2 Dias Violentos
3 Luz nas Trevas
4 Machete
5 A Rede Social

trilhas

1 A Rede Social
2 A Última Estação
3 O Mágico
4 Machete
5 Símbolo

cenas

1 A mesa de jantar, Homens e Deuses
2 A mesa de jantar, Tio Boonmee que Pode Recordar Suas Vidas Passadas
3 A piscina, Um Lugar Qualquer
4 Machete não manda mensagens, Machete
5 O posto policial, segunda vez, Minha Felicidade

Todos os filmes vistos na Mostra SP 2010

1 Comment

Filed under Mostras

Mostra SP 2010: Top 10 cinéfilos

Convoquei 17 amigos para escolherem comigo os melhores filmes da Mostra de Cinema de São Paulo, edição 2010. Pedi uma lista com dez filmes, em ordem, para cada votante. Foram atribuídos 10 pontos para o primeiro de cada relação, 9 para o segundo e assim por diante. O número de pontos foi o primeiro critério, seguido no número de votos e dos primeiros lugares. No final, o resultado foi decidido por um só pontinho.

10 Turnê
Mathieu Amaric
30 pontos, 4 votos, 1 pole

9 Abel
Diego Luna
34 pontos, 6 votos, sem poles

8 Machete
Robert Rodriguez
37 pontos, 5 votos, sem poles

7 As Quatro Voltas
Michelangelo Frammartino
37 pontos, 5 votos, duas poles

6 Homens e Deuses
Xavier Beauvois
37 pontos, 6 votos, sem poles

5 O Estranho Caso de Angélica
Manoel de Oliveira
38 pontos, 5 votos, 1 pole

4 Mistérios de Lisboa
Raúl Ruiz
50 pontos, 7 votos, 1 pole

3 Um Lugar Qualquer
Sofia Coppola
64 pontos, 7 votos, sem poles

2 Cópia Fiel
Abbas Kiarostami
91 pontos, 12 votos, 3 poles

1 Tio Boonmee que Pode Recordar Suas Vidas Passadas
Apichatpong Weerasethakul
92 pontos, 11 votos, 3 poles

Votaram >> Alê Marucci, Camila Vieira, Carlos Massari, Celso Lazarin, Diego Maia, Dolores Orosco, Filipe Furtado, Guga Valente, Helio Flores, Marcia Schmidt, Michel Simões, Mitchel Diniz, Paula Ferraz, Sonia Barros, Stela Pagan, Tatiana Vasconcellos e Tiago Superoito, além de mim.

5 Comments

Filed under Mostras

Mostra SP 2010: post 11

Dennis Villeneuve

Politécnica EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Polytecnique, Dennis Villeneuve, 2009

Apesar da semelhança temática, este filme não tem nada a ver com Elefante, de Gus Van Sant. Mesmo assim é uma porrada, filmada com uma delicadeza absurda. Dennis Villeneuve aposta num tom que fica entre o diário e o documental para recriar o massacre de estudantes do sexo femininino na Escola Politécnica de Montreal. E mesmo tendo um filme sob as bençãos das famílias das vítimas, o que parece bastante perigoso, acerta em praticamente tudo: no preto-e-branco, na narração que dá vez e voz ao assassino ao invés de simplesmente condená-lo, na estrutura que acompanha os personagens pós-evento antes de que o evento em si seja mostrado por completo e, sobretudo na melancolia sem excessos que parece o olhar perplexo do diretor para um mundo que ainda o decepciona.

Martin Scorsese, Kent Jones, Elia Kazan, Marlon Brando

Uma Carta para Elia EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
A Letter to Elia, Martin Scoresese e Kent Jones, 2010

O maior trunfo e a maior fragilidade de Uma Carta para Elia vêm do fato do filme ser tão reverente a seu homenageado. Martin Scorsese, mesmo com a coassinatura de Kent Jones, faz cinema em primeira pessoa: este documentário é nada mais do que declaração de amor, uma ode ao cineasta Elia Kazan, um diretor gigante e uma personalidade polêmica. Scorsese parece querer corrigir o fato de que Kazan seja tão lembrado por suas delações ao macarthismo quanto por seus filmes. Para isso, aproxima seu texto do peito e convida o espectador a enxergar os filmes de Kazan pelos olhos de um jovem apaixonado que reconhece na tela o mundo a sua volta. Scorsese não esconde sua devoção ao passear pela vida e pela obra de seu retratado. Estudioso do cinema, enche o doc com informações e análises sobre cada um dos filmes do diretor. O resultado é um filme do coração, com todos os prós e contras que isso possa gerar.

Sam Taylor-Wood

O Garoto de Liverpool EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Nowhere Boy, Sam Taylor-Wood, 2009

Os Beatles provocam tanta devoção que um filme sobre a adolescência de John Lennon só poderia assumir o formato absolutamente convencional que a diretora Sam Taylor-Wood atribuiu a O Garoto de Liverpool. Mas, se não ousa sob nenhum aspecto, a cineasta acerta – e bastante – na execução da novelinha que resolveu contar. O filme trabalha os clichês da história com muita habilidade e conseguiu uma delicadeza comovente ao apresentar a relação conflituosa entre Lennon e sua mãe Julia. Anne-Marie Duff e Kristin Scott-Thomas entregam interpretações belíssimas.

Thomas Vintenberg

Submarino EstrelinhaEstrelinha
Submarino, Thomas Vintenberg, 2010

A verdade é que, desde Festa de Família, seu primeiro, mais impetuoso e mais completo filme, Thomas Vintenberg nunca mais apresentou um trabalho com um conjunto tão forte. Submarino é uma experiência dramática bem mais refinada do que seus últimos filmes, mas o diretor ainda se perde em excessos estilísticos, como no flashback de abertura, e desvios que enfraquecem a trama principal, como a história do coadjuvante psicótico, ruim, clichê. Quando elege o que é importante, geralmente se dá melhor.

James Franco

Howl EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Howl, Rob Epstein e Jeffrey Friedman, 2010

Eu duvidei de Howl nos primeiros vinte minutos de projeção. A primeira impressão é de um filme afetado, que experimenta formatos sem qualquer preocupação com a unidade ou o conteúdo. Mas, aos poucos, a experiência de Rob Epstein e Jeffrey Friedman como documentaristas parece encontrar uma linha narrativa múltipla que, se não é brilhante, funciona com uma graça estranha, uma reverência ao segundo plano, uma melodia tímida que captura o espírito mind free, confuso e adolescente de Allen Ginsberg, de seu poema Uivo e da época em que ele viveu numa mistura ora anárquica, ora banal de documentário, ficção e animação.

Michael Hoffman, Helen Mirren

A Última Estação EstrelinhaEstrelinha
The Last Station, Michael Hoffman, 2009

Helen Mirren está na minha lista de maiores atrizes da atualidade e aqui ela dá vários motivos para eu não mudar de ideia, embora o crescendo de A Última Estação, que começa com frescor, achate sua interpretação. O filme, aos poucos, passa de um registro curioso sobre os últimos meses de vida de Lev Tolstoy para um novelão que não faz jus ao autor. Christopher Plummer, que sempre foi um ator limitado, aqui tem um dos highlights de sua carreira. Mas James McAvoy é quem mais impressiona com seu sensível anti-protagonista que tem pelo menos duas cenas lindas: o encontro emocionado com o escritor e a primeira vez com uma mulher. Embora termine banalizado, o filme de Michael Hoffmann tem seus momentos. Ah, a trilha é linda, linda, mas é usada em excesso.

Todos os filmes vistos na Mostra SP 2010

mais Mostra SP:

- Indicados ao Oscar de filme estrangeiro na Mostra SP
- Metrópolis, de Fritz Lang, restaurado, exibido de graça
- Top 20 Mostra SP 2009

1 Comment

Filed under Mostras

Mostra SP 2010: post 10

David Fincher

A Rede Social EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
The Social Network, David Fincher, 2010

Se existe ousadia em A Rede Social, ela mora no fato de que seu diretor amadureceu. David Fincher não usa nenhum dos artifícios narrativos que fizeram sua fama nos anos 90. Justamente onde eles mais cabiam, num filme sobre internet. Esse novo trabalho é incrivelmente sóbrio para sua temática. Fotografia funcional, montagem comportada; apenas a trilha sonora, assinada por Trent Reznor do Nine Inch Nails, que inclui elementos metálicos, soa diferente. E muito boa, por sinal. O que realmente chama a atenção no longa sobre a história do Facebook é como Fincher fez um filme simples, com a fluidez pop de sempre, mas sem recalques formais. O cineasta parece estar a serviço do roteiro, que executa com graça, equilibrando humor e melancolia como nunca fez. Jesse Eisenberg ofereceu ao projeto sua performance mais furiosa, compondo um personagem nerd vibrante ao mesmo tempo em que abre espaço para um pós-adolescente influenciável e inseguro. Andrew Garfield está tão bom quanto, mas seu personagem perde quando ele some da história. Os dois parecem estar se divertindo muito sob o comando de Fincher, que fez aqui seu melhor filme desde Zodíaco.

Feo Adalag

Quando Partimos EstrelinhaEstrelinha
Die Fremde, Feo Aladag, 2010

Filmes étnicos podem ser extremamente maçantes. Por isso, a única característica que realmente diferencia Quando Partimos de muitos de seus pares é que o filme tem uma encenação esforçada com bons atores dando mais substância a personagens caricatos. Mas isto realmente não faz do longa de Feo Aladag um grande filme. Nem um bom filme. A trama é idêntica a muitas. Neste ano mesmo, o Festival do Rio apresentou Ayla, que conta a história de uma mulher turca que resolve abandonar o marido, fugindo com o filho e tendo que enfrentar as tradições que colocam a própria família contra ela. A mesma trama antiga deste filme. Mas se o longa de Feo Aladag acerta na encenação, peca na tentativa de dar ainda mais peso e significância à história, criando cenas que parecem ter sido feitas para vender o filme como “porrada real”. O problema é que todo mundo já cansou de ver filme assim. E, cá entre nós, aquele final fatalista a la Crash, é de partir o coração com um exemplo de mau gosto.

Jia Zhang-Ke

Memórias de Xangai EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Hai shang chuan qi, Jia Zhang-Ke, 2010

O melhor documentário de Jia Zhang-Ke é encantador. O diretor se propôs a contar a história de Xangai através de depoimentos de pessoas que nasceram e moraram na cidade. Mas Jia evita o didatismo e faz um filme anacrônico, que viaja em ziguezague pelo tempo, com se lançasse uma pincelada em um lugar branco da tela a cada entrevista. Evitando criar o histórico oficial, o cineasta compõe um mosaico diferenciado, pontuado apenas pelo cinema, com clássicos chineses ajudando a ilustrar esse painel.

Sylvain Chomet

O Mágico EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
L’Illusioniste, Sylvain Chomet, 2010

O maior defeito de Sylvain Chomet para mim talvez seja sua maior qualidade para a maior parte das pessoas: o diretor dedica muito de seu trabalho a criar obras nostálgicas que parecem excessivamente calculadas. O Mágico, assim como As Bicicletas de Belleville, parece convocar o espectador a apreciar sua tristeza nobre e esquisita como forma de expressão genuína. É como se o filme gritasse: “olha como eu sou lindo”. Tá, é bonito mesmo, tanto no traço quanto em sua melancolia. Mas provavelmente Jacques Tati, que escreveu o roteiro anos atrás e não conseguiu realizá-lo, teria feito melhor. Tati sempre foi triste, melancólico, nostálgico, mas seus filmes sempre foram espontaneamente graciosos.

Louis Garrel

Aprendiz de Alfaiate EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Petit Tailleur, Louis Garrel, 2010

Nesse média-metragem, o ator Louis Garrel mistura todas suas referências de cinema francês, incluindo Truffaut, Honoré e até seu pai, para criar uma historinha pequena que ele conta com fluidez, mas sem muito brilho e de forma simpática e econômica.

Mahamat-Saleh Haroun

Um Homem que Grita EstrelinhaEstrelinha
Un Homme qui Crie, Mahamat-Saleh Haroun, 2010

OK. A grande revelação de Um Homem que Grita é que ele só foi premiado em Cannes porque é do Chade, não é isso? A história ex-atleta que toma conta da piscina de uma embaixada, é substituído e perde o sentido da vida é um conto moral com subtexto humanista, mas literalmente mergulhado em lugares comuns, resoluções óbvias e uma realização convencional. É simpático, é bem verdade, mas poderia tratar os personagens com mais complexidade.

Kyu-Hwan Jeon

Animal Town EstrelinhaEstrelinha
Animal Town, Kyu-hwan Jeon, 2009

Animal Town funciona muito mais enquanto seus protagonistas não se encontram, que é justamente a grande razão para o filme ter sido feito. Mas essa amarração final das duas histórias, apesar de parecer uma boa ideia, também tem ares de golpe de roteirista. Até a sequência final, Kyu-hwan Jeon filma dois homens solitários, que não conseguem mais se encaixar em suas vidas. E faz isso com destreza.

Ivan Engler, Ralph Etter

Cargo EstrelinhaEstrelinha
Cargo, Ivan Engler e Ralph Etter, 2009

Uma ficção-científica suíça. Curiosidade imediatada. Mas Cargo é um tanto decepcionante, embora haja competência na concepção visual. O filme recicla um monte de lugares comuns sobre “tem alguém escondido na nave”, misturando as grandes scifis pop, como Alien e Matrix, com uma trama convencional de suspense. Pelo menos quase diverte até o final estragar as coisas.

Comentários curtos e primeiras impressões no Twitter

Todos os filmes vistos na Mostra SP 2010

mais Mostra SP:

- Indicados ao Oscar de filme estrangeiro na Mostra SP
- Metrópolis, de Fritz Lang, restaurado, exibido de graça
- Top 20 Mostra SP 2009

1 Comment

Filed under Mostras

Enquete frases da Mostra SP 2010

Escolham entre as frases abaixo a melhor da Mostra de Cinema de São Paulo, edição de 2010:

Bróder, “Não é bróder que fala, mano, é mano”.

Filme Socialisme, “Eu atacaria até o sol se ele me atacasse”.

Machete, “Machete não manda mensagem”.

Tio Boonmee que Pode Recordar Suas Vidas Passadas, “O céu é superestimado. Não tem nada lá”.

Vocês Todos São Capitães, “Senhoras e senhores, ninguém liga pra vocês”.

8 Comments

Filed under Mostras

Mostra SP 2010: post 9

Abdellatif Kechiche
Vênus Negra EstrelinhaEstrelinha
Vénus Noire, Abdellatif Kechiche, 2010

Eu sempre fico questionando um filme que, sob o pretexto de denunciar uma barbaridade, a reproduz no melhor estilo de sadismo. Abdellatif Kechiche é um cineasta respeitado, ganhou prêmios importantes e fez filmes elogiados. Teoricamente, não precisaria deste artifício, mas Vênus Negra, apesar de ser um filme de qualidades, opera no limite do excesso. Kechiche introduz a história que, ao final sabemos ser real, da africana levada para a Europa como monstro de circo na base do desconforto com cenas que retratam a humilhação pela qual a protagonista passou e, ao longo do filme, promove uma das “descidas ao inferno” mais cruéis dos últimos tempos. O diretor investiga a maldade humana assumindo para si a perversidade dos “vilões”, adotando a estética do choque como modelo narrativo. Embora seja muito bem encenado e produzido, este é mais um filme que ganha pela espetacularização do sofrimento, justamente o que ele parece querer denunciar.

Shinboru
Símbolo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Shinboru, Hitoshi Matsumoto, 2009

Nada que a Mostra 2010 exibiu neste ano lembra de longe este Símbolo. O filme de Hitoshi Matsumoto, que também é o protagonista, abusa da liberdade narrativa, visual e de roteiro, criando uma comédia deliciosa, lúdica, mágica e perturbada que evoca Jerry Lewis, mas tem a melancolia de um Jacques Tati. O cineasta carrega na simbologia, nunca oferece metáforas imediatadas e transforma seu longa num manifesto que pede atenção para o mundo de hoje. Belíssimo.

Danis Tanovic
Cirkus Columbia EstrelinhaEstrelinha
Cirkus Columbia, Danis Tanovic, 2010

O esfacelamento da Iugoslávia ganhou mais um rebento. Desta vez em forma de pequena comédia dramática sobre a volta de um pai pródigo para casa. Danis Tanovic nunca ousa: faz um filme simpático, vendável, mas toca em assuntos sérios como família, primeiro amor e deveres para manter o respeito. Miki Manojlovic reprisa tipos que viveu em filmes como Underground, sem a grandiosidade, mas com um toque mágico na cena final, uma epifania. O mais curioso foi ver Danielle Rousseau, de Lost, fora da ilha, como a mãe da protagonista, falando em bósnio. Indicação da Bósnia ao Oscar 2011.

Jacek Borcuch
Tudo Que Eu Amo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Wszystko, co Kocham, Jacek Borcuch, 2010

Tudo Que Eu Amo é todo pequeno. O cenário é a Polônia do começo dos anos 80, com o crescimento do Partido Solidariedade de Lech Walesa e das tentativas das autoridades socialistas de minar sua força. Apesar do tom melancólico, o filme exala uma leveza impressionante, promovida pelo protagonista, um adolescente que comanda uma banda de rock. O diretor Jacek Borcuch explora essa juventude como força política, deixando as ações dos personagens como reações imediatadas de quem está começando a descobrir o que não gosta no mundo.

Olivier Laxe
Vocês São Todos Capitães EstrelinhaEstrelinha
Todos Vós Sodes Capitáns, Oliver Laxe, 2010

O filme de Olivier Laxe demonstra toda a falta de maturidade do cineasta, para o bem e para o mal. Ao mesmo tempo em que mostra que está disposto a criar, mudando de perspectiva a cada minuto, trabalhando no limite entre realidade e ficção, Laxe esbanja pretensão: enche o filme de maneirismos cult no formato e na narrativa, explora os personagens reais a seu bel prazer, cria cenas de puro onanismo como a em que sua mãe o visita e parece se auto-sabotar o tempo inteiro. É interessante, mas irrita.

Le Thanh Son
Impacto EstrelinhaEstrelinha
Bay Rong, Le Thanh Son, 2010

O Vietnã dá sua versão para o cinema de ação asiático numa comédia que homenageia e satiriza o gênero. A protagonista reúne todos os clichês das heroínas de ação: é dura, forte e prendada nas artes marciais, guarda um segredo e tem seu trauma contado aos poucos. O filme é simples, mas passa rápido, mas diverte do começo ao fim.

Comentários curtos e primeiras impressões no Twitter

Todos os filmes vistos na Mostra SP 2010

mais Mostra SP:

- Indicados ao Oscar de filme estrangeiro na Mostra SP
- Metrópolis, de Fritz Lang, restaurado, exibido de graça
- Top 20 Mostra SP 2009

4 Comments

Filed under Mostras, Resenha