Monthly Archives: novembro 2009

Top 20 anos 2000: filmes brasileiros

Essa lista inaugura uma série de Top 20s que estou preparando como retrospectiva para os anos 2000. Numa década onde o cinema brasileiro se recuperou definitivamente, muitos filmes tiveram que ficar de fora. Na lista, nada de Tropa de Elite, Meu Nome Não é Johnny ou 2 Filhos de Francisco. Os meus melhores estão aqui.

Andrea Tonacci

20 Serras da Desordem
Andrea Tonacci, 2006

O retorno de Andrea Tonacci ao cinema ganha a forma de documentário ficcionalizado que tem em seu protagonista adorável sua maior força.

Walter Salles Daniela Thomas

19 Linha de Passe
Walter Salles e Daniela Thomas, 2008

Walter Salles se recupera de tropeços e projetos ambiciosos que ficaram na promessa com um filme simples sobre os laços que unem uma mãe e quatro irmãos.

Beto Brant

18 O Invasor
Beto Brant, 2002

Beto Brant promove o encontro entre o cinema urbano brasileiro e o policial contemporâneo num filme que revela um grande ator: Paulo Miklos.

Karim Ainouz

17 Madame Satã
Karim Aïnouz, 2002

A estreia de Karim Aïnouz recupera, com uma fotografia brilhante, um personagem único e revela outro ator de primeira grandeza: Lázaro Ramos.

Sandra Kogut

16 Mutum
Sandra Kogut, 2007

Guimarães Rosa, um autor de difícil adaptação, ganhou tradução delicadíssima nas mãos de Sandra Kogut e um protagonista-mirim impressionante.

Domingos Oliveira

15 Juventude
Domingos Oliveira, 2008

Domingos Oliveira reúne os amigos para repassar a vida e homenagear a própria amizade em seu melhor filme em muito tempo.

Rogerio Sganzerla

14 O Signo do Caos
Rogério Sganzerla, 2005

O mestre maior do filme marginal brasileiro em seu réquiem, homenageando sua própria história e seu próprio cinema.

Cao Hamburger

13 O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias
Cao Hamburger, 2006

A Ditadura Militar vista pelos olhos de uma criança. Cao Hamburger troca o ranço pelo carinho e acerta em cheio na composição de uma época e de um turbilhão de sentimentos.

Julio Bressane

12 Filme de Amor
Julio Bressane, 2004

Júlio Bressane consegue dialogar com o sublime e faz seus personagens voarem para longe de prisões formais em busca de algo além. É a criação que brota do caos.

Joao Jardim

11 Pro Dia Nascer Feliz
João Jardim, 2007

Um painel sobre o sistema educacional brasileiro, sim, mas mais do que isso uma investigação sobre o jovem que este país forma pelos mais variados prismas.

Fernando Meirelles Katia Lund

10 Cidade de Deus
Fernando Meirelles (co-dir. Kátia Lund), 2002

O filme mais famoso da história recente é a promessa de um cinema industrial de primeira qualidade, um exemplo na formação de atores e o projeto mais ambicioso já feito por estas bandas.

Marcelo Gomes

9 Cinema, Aspirina e Urubus
Marcelo Gomes, 2005

Marcelo Gomes explora o Sertão com graça invejável, sem nunca espetacularizá-las. Fazia tempo que o cinema brasileiro não contava tão bem e de maneira tão simples uma história

Paulo Sacramento

8 O Prisioneiro da Grade de Ferro
Paulo Sacramento, 2004

A câmera entregue aos detentos não pode ser completamente franca, sem cálculo, mas o naturalismo com que os narradores conduzem o filme é a força do documentário.

Jose Eduardo Belmonte

7 Se Nada Mais Der Certo
José Eduardo Belmonte, 2008

Ao diretor não interessa investigar a perda de parâmetros dos personagens. As motivações estão claras – sustentar a família e a si mesmos. Tudo muito prático, mas nunca simplista.

Joao Moreira Salles

6 Entreatos
João Moreira Salles, 2004

O político mais popular da história recente destes país visto em close-up no momento em que está prestes a passar de eterna promessa a governante.

Beto Brant e Renato Ciasca

5 Cão Sem Dono
Beto Brant e Renato Ciasca, 2007

Os fatos pouco interessam aos diretores Beto Brant e Renato Ciasca. O foco é como o homem lida com suas limitações e com sua inevitável transformação aos moldes do mundo.

Luiz Fernando Carvalho

4 Lavoura Arcaica
Luiz Fernando Carvalho, 2001

Um livro infilmável e o maior artista da TV brasileira em sua incursão única no cinema, traduzindo-o e explorando suas estranhezas com um lirismo raro.

Joao Moreira Salles

3 Santiago
João Moreira Salles, 2007

O que encanta é a habilidade de promover linguagem, de reordenar a memória, de construir a partir da desconstrução. Ou este filme é genial ou seu autor é um golpista admirável.

Edurado Coutinho

2 Jogo de Cena
Eduardo Coutinho, 2007

O grande documentarista deixa de lado sua cômoda fórmula de cinema para investigar os caminhos da representação e questionar a verdade e a mentira.

Karim Ainouz

1 O Céu de Suely
Karim Aïnouz, 2006

No melhor filme brasileiro dos anos 2000, Karim Aïnouz mostra o Brasil conectado com o cinema contemporâneo, seja nas imagens etéreas seja nos questionamentos da protagonista, uma mulher em busca do seu lugar.

menções honrosas:

Onde a Terra Acaba (2001), de Sérgio Machado; Loki – Arnaldo Baptista (2008), Paulo Henrique Fonetenelle; Person (2005), de Marina Person; No Meu Lugar (2009), de Eduardo Valente; Estamira (2006), de Marcos Prado; Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo (2009), de Karim Aïnouz e Marcelo Gomes; A Concepção (2005), de José Eduardo Belmonte; Redentor (2004), Cláudio Torres; Houve uma Vez Dois Verões (2002), de Jorge Furtado; e Babilônia 2000 (2001), de Eduardo Coutinho.

E como listas são sempre polêmicas, que tal você deixar a sua, hein?

70 Comments

Filed under Listas

Do Começo ao Fim

Rafael Cardoso, João Gabriel Vasconcellos

Verossímil, diz o Houaiss, é aquilo “que parece verdadeiro” ou “que é possível ou provável por não contrariar a verdade; plausível”. Verossimilhança é o principal problema de Do Começo ao Fim, um filme em que simplesmente não se consegue acreditar. Essa afirmação, embora possa ter alguma leitura moralista, está longe disso. Justamente porque o único mérito do filme de Aluísio Abranches – guarde o “único” – é tocar num tema tabu. E não existe maior tabu do que o incesto.

Seria, então, o caso de chamar o diretor de corajoso e estender o cumprimento a todos os envolvidos nos longa-metragem, sobretudo os atores que deram a cara a tapa e colocaram em risco a possibilidade de virarem galãs globais. Mas o adjetivo, corajoso, perde qualquer sentido depois de assistir ao filme justamente por causa da verossimilhança. Do Começo ao Fim, a história de amor entre dois irmãos, não oferece o menor conflito. Se não ter conflitos já é pecado mortal para um filme com uma temática convencional, o que dizer de uma obra que toca num assunto tão polêmico?

O diretor parece apostar que o tema já é tão particular que somente o fato de se estar tratando dele é o suficiente. Em momento algum do filme, o maior tabu que existe causa espanto, estranhamento ou gera qualquer tipo de reação contrária. A única cena em que se desenha algo do tipo é resolvida com uma passagem de tempo e uma solução pobre de roteiro, como se fosse uma maneira rápida de se livrar de um incômodo e se abster de falar sobre preconceito. Não passa disso, o que leva a crer que Abranches situa seu filmes numa dimensão paralela, onde a sociedade enxerga o amor entre dois irmãos, homens ainda por cima, como mais uma das brincadeiras da vida. Ê, mundão!

Fica bastante claro que Abranches tem uma boa intenção em adotar essa narrativa rio-sem-correnteza: ele quer que a história de amor entre os irmãos seja vista pelo prisma da história de amor e não pela polêmica. Mas entre entender o namoro dos dois como mais uma possibilidade de relacionamento e simplesmente ignorar como esse namoro seria olhado, entendido, recebido pela sociedade nos padrões em que ela está formada hoje é muita ingenuidade, ou pior, é uma atitude acovardada. Qualquer pessoa com o mínimo de discernimento sabe que uma relação desta natureza enfrentaria percalços bem maiores do que uma viagem para o exterior.

Guardou o “único”, né? Pois bem, os problemas de Do Começo ao Fim não se resumem a verossimilhança ou acomodação. O filme é de uma fragilidade dramática que parecia ter sumido do cinema brasileiro. Nada parece realmente sólido no filme. Como se esquiva de fazer um filme inteligente, Abranches dirige como se estivesse num comercial de sabonete, com tudo muito limpinho em cena. Visualmente há momentos constragedores, como a cena em que os dois irmãos ficam pelados na sala: aí percebe-se que Abranches adota uma estética gay (músculos, corpos depilados, riqueza e conforto) para atrair um público específico, que se contenta apenas com beleza.

Não há direção de atores. Como o roteiro não ajuda, mesmo nas cenas mais banais, os intérpretes parecem vagar em busca de alguma coisa que indique o que fazer, que tom adotar. Quem mais sofre são os protagonistas adultos: Rafael Cardoso mantém sua performance a la Malhação, que trouxe da TV Globo, não incomoda. Mas João Gabriel Vasconcellos, a quem cabe manter o clima de sofrimento (ainda que nunca se justifique o sofrimento no filme), aparece com os olhos marejados e a expressão de “tenha dó de mim” em todas as cenas. É quase insuportável, ainda assim, acredite, ele é o menor dos problemas.

Do Começo ao Fim Estrelinha
[Do Começo ao Fim, Aluisio Abranches, 2009]

220 Comments

Filed under Resenha

A Família Wolberg

A Família Wolberg

As relações familiares, segundo Axelle Ropert. A diretora estreante demonstra uma maturidade fora do comum para compor um painel dos Wolberg, a família do prefeito de uma pequena cidade no interior da França. O patriarca, que ganha vida nas mãos do excelente François Damiens, é um homem de oratória sedutora, cujo maior talento é o de arquiteto das palavras. Na vida pública, sua habilidade funciona em favor de sua carreira, mas sua tendência a centralizar o poder causa atritos dentro de casa. Com um plot destes, Ropert poderia seguir caminhos fáceis, mas ela emoldura a relação de Simon Wolberg com cada um de seus próximos com materiais mais consistentes e, como os personagens nunca caem na caricatura, mesmo com esses atritos sobra amor entre os membros da família. O filme foge completamente do que se pode esperar dele, seja nos diálogos excepcionais, ou na construção das cenas, em que a diretora compulsivamente desvia o foco principal para assuntos mais íntimos e segredos dolorosos. Sempre com suavidade. Ropert sabe como poucos introduzir revelações.

A Família Wolberg EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[La Famille Wolberg, Axelle Ropert, 2009]

Leave a Comment

Filed under Resenha

Top 20: Mostra de SP 2009

Estou atrasado, eu sei. Mas a semana foi bem difícil. Aqui fica meu registro final sobre minha décima Mostra Internacional de Cinema de SP, um festival em que bati meu recorde (e em que saí na Vejinha). Foram 63 filmes vistos em São Paulo e outros 38 herdados do Festival do Rio. Ao todo, 101 filmes da seleção. A quantidade gerou qualidade. Vi vários filmes que possivelmente não veria caso tivesse que me dedicar a nomes conhecidos. Alguns terminaram entrando na minha lista de melhores. Outros não chegaram a tanto, mas foram gratas surpresas. Fico devendo resenhas sobre os sete filmes que vi na repescagem. Esta semana, tento fazer. A minha Mostra 2009 foi esta aqui;

top 10 Mostra SP 2009

A Família Wolberg

1 A Família Wolberg, Axelle Ropert

Werner Herzog

2 Vício Frenético, Werner Herzog

Bong Joon-ho

3 Mother, Bong Joon-ho

Michael Haneke

4 A Fita Branca, Michael Haneke

Eugene Green

5 A Religiosa Portuguesa, Eugène Green

Hirokazu Kore-eda

6 Seguindo em Frente, Hirokazu Kore-eda

Marco Bellochio

7 Vencer, Marco Bellocchio

Corneliu Porumboiu

8 Polícia, Adjetivo, Corneliu Porumbouiu

Bahman Ghobadi

9 Ninguém Sabe dos Gatos Persas, Bahman Ghobadi

Noa Bressane, Bruno Safadi

10 Belair, Noa Bressane e Bruno Safadi

e mais:

11 O Que Resta do Tempo, Elia Suleiman
12 As Ervas Daninhas, Alain Resnais
13 Mau Dia para Pescar, Alvaro Brechner
14 Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo, Karim Aïnouz e Marcelo Gomes
15 Singularidades de uma Rapariga Loura, Manoel de Oliveira
16 Soul Kitchen, Fatih Akin
17 Distante Nós Vamos, Sam Mendes
18 O Fantástico Senhor Raposo, Wes Anderson
19 Hotel Atlântico, Suzana Amaral
20 Aconteceu em Woodstock, Ang Lee

melhores atores

1 Nicolas Cage, Vício Frenético
2 Won Bin, Mother
3 François Damiens, A Família Wolberg
4 André Dussolier, Ervas Daninhas
5 Julio Andrade, Hotel Atlântico

melhores atrizes

1 Kim Hye-Ja, Mother
2 Giovanne Mezzogiorno, Vencer
3 Krystyna Janda, Alga Doce
4 Sabine Azèma, Ervas Daninhas
5 Nisreen Faour, Amreeka

melhores atores coadjuvantes

1 Burghart Klaußner, A Fita Branca
2 Leonard Proxauf, A Fita Branca
3 Michael Fassbender, Fish Tank
4 Paul Schneider, Brilho de uma Paixão
5 Filippo Timi, Vencer

melhores atrizes coadjuvantes

1 Imelda Staunton, Aconteceu em Woodstock
2 Susanne Lothar, A Fita Branca
3 Blanca Portillo, Abraços Partidos
4 Allison Janney, Distante Nós Vamos
5 You, Seguindo em Frente

os fimes vistos

35 Doses de Rum EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Claire Denis
(500) Dias com Ela EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Marc Webb
À Procura de Eric EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Ken Loach
Abraços Partidos EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Pedro Almodóvar
Aconteceu em Woodstock EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Ang Lee
Adam EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Max Mayer
Alga Doce (Doce Perfume) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Andrzej Wajda
O Amor Segundo B. Schianberg EstrelinhaEstrelinha, Beto Brant
Amreeka EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Cherien Dabis
Antes que o Mundo Acabe EstrelinhaEstrelinha, Ana Luiza Azevedo
O Apedrejamento de Soraya M. EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Cyrus Nowrasteh
Aquiles e a Tartaruga EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Takeshi Kitano
Aviões de Papel Estrelinha, Simon Szabó
Backyard EstrelinhaEstrelinha, Carlos Carrera
A Batalha dos Três Reinos EstrelinhaEstrelinha, John Woo
Bathory Estrelinha, Juraj Jakubisko
Belair EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Noa Bressane e Bruno Safadi
Brilho de uma Paixão EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Jane Campion
Carmel Estrelinha, Amos Gitai
Cinzas e Sangue Estrelinha, Fanny Ardant
Coco Chanel & Igor Stravinsky EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Jan Kounen
Czar EstrelinhaEstrelinha, Pavel Lounguine
Colin Estrelinha, Marc Price
Corações em Conflito EstrelinhaEstrelinha, Lukas Moodysson
O Cronometrista Estrelinha, Louis Bélanger
Cúmplices EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Ferederic Mermoud
Dente Canino Bolinha, Giorgios Lanthimos
O Dia da Transa EstrelinhaEstrelinha, Lynn Shelton
Os Dispensáveis EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Andrea Arnstedt
Distante Nós Vamos EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Sam Mendes
Dzi Croquettes EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Tatiana Issa e Raphael Alvarez
Enfermaria Número 6 EstrelinhaEstrelinha, Karen Chakhnazarov
Entre Dois Mundos Estrelinha, Vimukthi Jayasundara
As Ervas Daninhas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Alain Resnais
Esburacando EstrelinhaEstrelinha, Henrik Hellström, Fredrik Wenzel
Eu, Ela e Minha Alma Estrelinha, Sophie Barthes
Eu Matei a Minha Mãe EstrelinhaEstrelinha, Xavier Dolan
A Falta que nos Move EstrelinhaEstrelinha, Christiane Jatahy
A Família Wolberg EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Axelle Ropert
O Fantástico Senhor Raposo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Wes Anderson
O Filho do Caçador de Águias EstrelinhaEstrelinha, Renè Bo Hansen
Fish Tank (Aquário) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Andrea Arnold
A Fita Branca EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Michael Haneke
A Guerra dos Filhos da Luz contra os Filhos das Trevas Estrelinha, Amos Gitaï
Hemingway, Adeus EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Svetoslav Ovtcharov
Hotel Atlântico EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Suzana Amaral
I Love You, Philip Morris EstrelinhaEstrelinha, Glenn Ficarra e John Requa
Ibrahim Labyad EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Marwan Hamed
A Ilha de Bergman EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Marie Nyreröd
Independência EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Raya Martin
O Inferno de Clouzot EstrelinhaEstrelinha, Serge Bromberg e Ruxandra Medrea
Insolação Estrelinha, Daniela Thomas e Felipe Hirsch
Jogos do Leste EstrelinhaEstrelinha, Kamen Kalev
Julie & Julia EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Nora Ephron
Katalin Varga EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Peter Strickland
Lebanon EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Samuel Maoz
London River EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Rachid Bouchareb
Luas-de-Mel EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Goran Paskajlevic
Macabro EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, The Mo Brothers
Making Plans for Lena EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Christophe Honoré
Mau Dia para Pescar EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Alvaro Brechner
Maradona EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Emir Kusturica
Metropia EstrelinhaEstrelinha, Tarik Salleh
Montanha de Abandono EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Yo Song Kim
Morrer como um Homem EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, João Pedro Rodrigues
Mother EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Bong Joon-ho
O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Terry Gilliam
Ninguém Sabe dos Gatos Persas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Bahman Ghobadi
Nova York, Eu Te Amo EstrelinhaEstrelinha, vários
Oye Lucky! Lucky Oye! EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Dibakar Banerjee
A Peça da Discórdia EstrelinhaEstrelinha, Ali Özgentürk
A Pequenina EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Tina Cozzi e Rainer Frimmel
Perseguição Estrelinha, Patrice Chéreau
Polícia, Adjetivo (Politist, Adjectiv) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Corneliu Porumbouiu
O Primata Estrelinha, Jesper Ganslandt
O Que Resta do Tempo (The Time That Remains) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Elia Suleiman
A Religiosa Portuguesa EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Eugène Green
A Ressurreição de Adam EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Paul Schrader
Ricky EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, François Ozon
Samson and Delilah EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Warwick Thornton
Sede de Sangue EstrelinhaEstrelinha, Chan-wook Park
Sedução EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Lone Scherfig
Seguindo em Frente EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Hirokazu Kore-eda
A Sereia e o Mergulhador Estrelinha, Mercedes Moncada Rodríguez
Sherazade, Conte uma História EstrelinhaEstrelinha, Yousry Nasrallah
Shirin EstrelinhaEstrelinha, Abbas Kiarostami
Singularidades de uma Rapariga Loura EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Manoel de Oliveira
Soul Kitchen EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Fatih Akin
Super Star EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Tahmineh Milani
Sussurros ao Vento EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Shahram Alidi
Todos os Outros Estrelinha, Maren Ade
Tokyo! EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Bong Joon-ho, Leos Carax e Michel Gondry
A Town Called Panic EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Stéphane Aubier e Vincent Patar
Trilogia II: A Poeira do Tempo EstrelinhaEstrelinha, Theo Angelopoulos
Tyson EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, James Toback
O Último Dançarino de Mao Estrelinha, Bruce Beresford
Vencer (Vincere) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Marco Bellochio
Viagens do Vento EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Ciro Guerra
Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Karim Aïnouz e Marcelo Gomes
Vício Frenético (The Bad Lieutenant) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Werner Herzog
Uma Vida Real EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, Sarah Leonor
Vinte Estrelinha, Abdolreza Kahani
Voluntária Sexual EstrelinhaEstrelinha, Kyeong-duk Cho

9 Comments

Filed under Listas

Polícia, Adjetivo

Polícia, Adjetivo

O segundo longa do diretor do bom A Leste de Bucarete vai mais além em sua análise da sociedade romena, investigando a burocracia policial. Porumboiu contraria as expectativas, deixando a investigação feita pelo protagonista sempre num plano secundário em relação ao cotidiano do personagem. O diretor abusa dos planos fixos, do ritmo longo e do humor esquisito na composição deste cotidiano, buscando estranhamento mesmo. O resultado tem momentos forçados, mas no geral mostra um filme interessantíssimo, com uma sequência (a que batiza o longa) nonsense e, ao mesmo tempo, fundamental para os propósitos do diretor.

Polícia, Adjetivo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Politist, Adjectiv, Corneliu Porumboiu, 2009]

Leave a Comment

Filed under Resenha

Mostra SP 2009: post 15

Abbas Kiarostami
Shirin EstrelinhaEstrelinha
Shirin, Abbas Kiarostami, 2008

A proposta radical funciona muito bem… mas só como proposta. Kiarostami nos convida a acompanhar uma filme sem ver uma única imagem da obra, apenas assistindo as reações de dezenas de mulheres que olham para a tela. O desafio seria testar nossa capacidade de adaptação. A provocação, medir nosso comodismo visual em relação ao cinema. Um experimento válido, mas que não leva a lugar nenhum. Abbas não propõe um novo olhar sobre a fruição de uma obra, não constrói um discurso sobre o novo formato. E ainda parece oferecer muito pouco (a história da princesa armênia é ruim e desinteressante) propositadamente como se fizesse uma piada. A presença de Juliette Binoche entre as dezenas de rostos iranianos só faz reforçar essa ideia.

Fany Ardant
Cinzas e Sangue Estrelinha
Cendres et Sang, Fanny Ardant, 2009

O primeiro filme de Fanny Ardant como diretora mostra que a musa do Truffaut ainda tem muito o que aprender. Ousada, ela foi: resolveu levar para o cinema a história de duas famílias vizinhas que se odeiam na Romênia, material original de Ismail Kadaré. Não é à tôa que Cinzas e Sangue lembra aqui e ali Abril Despedaçado, outra obra baseada no escritor, outro filme em que o diretor não acerta o tom e não dá relevo aos personagens a ponto de seu comportamento violento parecer, como todos querem, herança de família. Ardant cria alguns momentos inteligentes visualmente, mas eles duram uma cena – às vezes, uma imagem. No resto, o filme parece querer justificar sua fragilidade com o excesso. Ronit Elkabetz rosna, maquiada como a princesa das trevas.

Patrice Chereau
Perseguição Estrelinha
Persécution, Patrice Chéreau, 2009

Patrice Chéreau conseguiu fazer um thriller psicológico tão chato quanto vazio. Parece um pastiche de muitas coisas. A cena no metrô lembra Haneke em Código Desconhecido e a obsessão de Jean-Hugues Anglade me fez lembrar de Mulher Solteira Procura, mas as ambições de psicologia do diretor aproximam o filme de alguns longas B norte-americanos com pretensões artísticas. Nem o bom elenco faz a trama idiota funcionar.

A Ilha de Bergman
A Ilha de Bergman EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Bergman Island, Marie Nyreröd, 2006

Apesar do formato parecer o de um programa do Multishow, A Ilha de Bergman nos oferece a oportunidade única de invadir a intimidade de um cineasta conhecido pela reclusão. O filme posiciona a Ilha de Farö, onde o diretor viveu até sua morte, na história pessoal e na filmografia de Bergman. Utilizando bastante material de arquivo, inclusive cenas de bastidores inéditas, o longa peca na forma, mas acerta na organização do acervo. Os depoimentos do diretor em casa valem ouro, sobretudo aquele em que ele revela a farsa por trás de Gritos e Sussurros.

Lebanon
Líbano EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Lebanon, Samuel Maoz, 2009

A projeção ao ar livre, cadeiras de plástico e a ameaça de chuva sempre iminente (e concretizada nos 15 minutos finais do filme) garantiram a sessão de cinema mais bizarra da minha vida. Por isso, acredito que minha visão inicial de Lebanon tenha sido prejudicada e seja possivelmente injusta. Mas a primeira impressão que tive do filme, que ganhou o Leão de Ouro no Festival de Veneza neste ano, foi a de que trata-se de mais do mesmo. Samuel Maoz não é um mau diretor: delineia os personagens com uma razoável competência, decreta seu território (o tanque) como limite máximo a percorrer, cria um clima de claustrofobia bastante real, acerta nas cenas iniciais de ataques que traduzem bem suas idéias sobre a guerra. No entanto, os maneirismos aparecem ao longo do filme em personagens secundários, que exalam clichês, e no processo esquizofrênico de um dos protagonistas, acelerado e óbvio demais.

Resenhas de todos os filmes vistos na Mostra 2009.

Comentários rápidos e primeiras impressões no twitter.

Enquete: quais foram os melhores filmes da Mostra de Cinema de São Paulo 2009? Mande um email para filmesdochico@gmail.com e liste, na ordem de preferência, os 5 (cinco) melhores filmes da Mostra 2009. Os votos serão recebidos até domingo, dia 8 de novembro.

19 Comments

Filed under Mostras, Resenha

Repescagem Mostra SP 2009

06/11/2009 – Sexta

CINEMATECA – SALA PETROBRAS

Sessão 1445 – 17:00

TROCA DE TRENS (OMBYTE AV TÅG), de Hasse Ekman (92′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1446 – 19:00

HIMALAYA – TERRA DOS VENTOS (HIMALAYA WHERE THE WIND DWELLS), de Jeon Soo-il (90′). CORÉIA DO SUL, FRANÇA. Falado em inglês, nepalês, coreano. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1447 – 21:00

QUEM O VIU MORRER? (OLE DOLE DOFF), de Jan Troell (110′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

CINE BOMBRIL 1

Sessão 1448 – 14:00

FORMOSA TRAÍDA (FORMOSA BETRAYED), de Adam Kane (103′). EUA, TAILÂNDIA. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1449 – 16:10

1ª VEZ 16MM (1ª VEZ 16MM), de Rui Goulart (140′). PORTUGAL. Falado em português. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1450 – 18:50

A ILHA DE BERGMAN (BERGMAN ISLAND), de Marie Nyreröd (84′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1451 – 20:40

Montanha de Abandono EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (TREELESS MOUNTAIN), de So Yong Kim (89′). CORÉIA DO SUL, EUA. Falado em coreano. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1452 – 22:30

LEBANON (LEBANON), de Samuel Maoz (92′). FRANÇA, ALEMANHA, ISRAEL, LÍBANO. Falado em hebraico, árabe, inglês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

CINESESC

Sessão 1453 – 14:00

CORTEJANDO CONDI (COURTING CONDI), de Sebastian Doggart (107′). EUA, REINO UNIDO. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1454 – 16:10

ASHKAN, O ANEL ENCANTADO E OUTRAS HISTÓRIAS (ASHKAN, ANGOSHTAR-E MOTEBAREK VA DASTAN-HAYE DIGAR), de Shahram Mokri (92′). IRÃ. Falado em farsi. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1455 – 18:00

AINDA ADORÁVEIS (LOVELY, STILL), de Nicholas Fackler (90′). EUA. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1456 – 19:50

CINZAS E SANGUE Estrelinha (CENDRES ET SANG), de Fanny Ardant (105′). FRANÇA. Falado em francês. Legendas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1457 – 22:00

O Inferno de Clouzot EstrelinhaEstrelinha (L’ENFER D’HENRI-GEORGES CLOUZOT), de Serge Bromberg, Ruxandra Medrea (94′). FRANÇA. Falado em francês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1458 – 00:00

VOLUNTÁRIA SEXUAL (SEX VOLUNTEER), de Kyeong-duk Cho (123′). CORÉIA DO SUL. Falado em coreano. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

07/11/2009 – Sábado

UNIBANCO ARTEPLEX 1

Sessão 1459 – 00:00

Ninguém Sabe dos Gatos Persas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (KASI AZ GORBEHAYE IRANI KHABAR NADAREH), de Bahman Ghobadi (101′). IRÃ. Falado em farsi. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 ANOS.

CINEMATECA – SALA PETROBRAS

Sessão 1460 – 15:00

GABRIELLE (GABRIELLE), de Hasse Ekman (90′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1461 – 17:00

A GRANDE AVENTURA (DET STORA ÄVENTYRET), de Arne Sucksdorff (94′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Curta: RITMO DE UMA CIDADE (MÄNNISKOR I STAD), de Arne Sucksdorff(18′). Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1462 – 19:20

MY HOME IS COPACABANA (MITT HEM ÄR COPACABANA), de Arne Sucksdorff (88′). SUÉCIA. Falado em sueco, português. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1463 – 21:10

Ibrahim Labyad EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (IBRAHIM LABYAD), de Marwan Hamed (134′). EGITO. Falado em árabe. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 ANOS.

CINE BOMBRIL 1

Sessão 1464 – 14:00

LEBANON (LEBANON), de Samuel Maoz (92′). FRANÇA, ALEMANHA, ISRAEL, LÍBANO. Falado em hebraico, árabe, inglês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1465 – 16:00

A GUERRA DOS FILHOS DA LUZ CONTRA OS FILHOS DAS TREVAS (LA GUERRE DES FILS DE LA LUMIÈRE CONTRE LES FILS DES TÉNÈBRES), de Amos Gitai (102′). FRANÇA. Falado em francês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1466 – 18:10

London River EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (LONDON RIVER), de Rachid Bouchareb (90′). REINO UNIDO, FRANÇA, ARGÉLIA. Falado em inglês, francês. Legendas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1467 – 20:00

CARMO (CARMO), de Murilo Pasta (100′). BRASIL, ESPANHA, POLÔNIA. Falado em português, espanhol. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1468 – 22:00

Metropia EstrelinhaEstrelinha (METROPIA), de Tarik Saleh (85′). SUÉCIA. Falado em inglês. Legendas em italiano. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1469 – 23:50

MACABRO EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (DARAH), de The Mo Brothers (90′). CINGAPURA, INDONÉSIA. Falado em indonésio. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

CINESESC

Sessão 1470 – 14:00

DOR-FANTASMA (PHANTOMSCHMERZ), de Matthias Emcke (98′). ALEMANHA. Falado em alemão. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1471 – 16:00

Independência EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (INDEPENDENCIA), de Raya Martin (77′). FILIPINAS, FRANÇA, ALEMANHA, HOLANDA. Falado em tagalo. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: LIVRE.

Sessão 1472 – 17:40

A Religiosa Portuguesa EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (A RELIGIOSA PORTUGUESA), de Eugène Green (127′). PORTUGAL. Falado em português, francês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 12 ANOS.

Sessão 1473 – 20:10

A 40ª PORTA (40-CI QAPI), de Elchin Musaoglu (81′). AZERBAIJÃO. Falado em azerbaijano. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1474 – 21:50

Mau Dia para Pescar EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (MAL DIA PARA PESCAR), de Alvaro Brechner (110′). ESPANHA, URUGUAI. Falado em espanhol. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1475 – 00:00

A Ressurreição de Adam EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (ADAM RESURRECTED), de Paul Schrader (102′). EUA, ALEMANHA, ISRAEL. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

08/11/2009 – Domingo

CINEMATECA – SALA PETROBRAS

Sessão 1476 – 15:00

A Peça da Discórdia EstrelinhaEstrelinha (YENGEC OYUNU), de Ali Özgentürk (80′). TURQUIA. Falado em turco. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1477 – 17:00

ANDANDO COM A LUA (VANDRING MED MÅNEN), de Hasse Ekman (105′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1478 – 19:10

KIMJONGILIA (KIMJONGILIA), de N.C. Heikin (74′). EUA, CORÉIA DO SUL, FRANÇA. Falado em coreano. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1479 – 21:00

EXPRESSÃO JOVEM (TEENAGE RESPONSE), de Eleni Ampelakiotou (160′). ALEMANHA. Falado em alemão. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: LIVRE.

CINE BOMBRIL 1

Sessão 1480 – 14:00

I LOVE YOU PHILLIP MORRIS (I LOVE YOU PHILLIP MORRIS), de Glenn Ficarra, John Requa (100′). EUA. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1481 – 16:00

Fish Tank (Aquário) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha, de Andrea Arnold (124′). INGLATERRA. Falado em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1482 – 18:30

ARTE INCONSEQUÊNCIA (ART INCONSEQUENCE), de Robert Kaltenhaeuser (61′). ALEMANHA. Falado em alemão. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1483 – 20:00

CÚMPLICES (COMPLICES), de Frederic Mermoud (93′). FRANÇA, SUÍÇA. Falado em francês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1484 – 22:00

Eu Matei a Minha Mãe EstrelinhaEstrelinha (J´AI TUÉ MA MÈRE), de Xavier Dolan (100′). CANADÁ. Falado em francês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 ANOS.

CINESESC

Sessão 1485 – 14:00

LUCIANO (LUCIANO), de Gian Vittorio Baldi (80′). ITÁLIA. Falado em italiano. Legendas eletrônicas em português. Curta: LUCIANO, VIA DEI CAPPELLARI, de Gian Vittorio Baldi(12′). Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1486 – 16:00

LEBANON (LEBANON), de Samuel Maoz (92′). FRANÇA, ALEMANHA, ISRAEL, LÍBANO. Falado em hebraico, árabe, inglês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1487 – 18:00

Os Dispensáveis EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (DIE ENTBEHRLICHEN), de Andreas Arnstedt (110′). ALEMANHA. Falado em alemão. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 10 ANOS.

Sessão 1488 – 20:10

QUERIDO LEMON LIMA, (DEAR LEMON LIMA,), de Suzi Yoonessi (87′). EUA. Falado em inglês, espanhol, linguagem de sinais americana. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1489 – 22:00

O ÚLTIMO DANÇARINO DE MAO (MAO´S LAST DANCER), de Bruce Beresford (117′). AUSTRÁLIA. Falado em inglês, mandarim. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

09/11/2009 – Segunda-feira

CINE BOMBRIL 1

Sessão 1490 – 14:00

ALMAS ALEMÃS – A VIDA NA COLÔNIA DIGNIDAD (DEUTSCHE SEELEN – LEBEN NACH DER COLONIA DIGNIDAD), de Martin Farkas, Matthias Zuber (92′). ALEMANHA. Falado em alemão. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1491 – 16:00

ZERO (ZERO), de Pawel Borowski (110′). POLÔNIA. Falado em polonês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1492 – 18:10

PIXO (PIXO), de João Wainer, Roberto T. Oliveira (61′). BRASIL. Falado em português, inglês. Legendas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1493 – 19:40

O ABRAÇO CORPORATIVO (O ABRAÇO CORPORATIVO), de Ricardo Kauffman (75′). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1494 – 21:20

O SOL DO MEIO-DIA (O SOL DO MEIO-DIA), de Eliane Caffé (106′). BRASIL. Falado em português. Legendas em inglês. Indicado para: 14 ANOS.

CINESESC

Sessão 1495 – 14:00

PAPAI FOI CAÇAR PTÁRMIGA (PAPA À LA CHASSE AUX LAGOPÈDES), de Robert Morin (91′). CANADÁ. Falado em francês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1496 – 16:00

PALÁCIO (PALACIO), de Luis Alaejos, Raul Diez Alaejos (100′). ESPANHA. Falado em espanhol. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: LIVRE.

Sessão 1497 – 18:00

O APEDREJAMENTO DE SORAYA M (THE STONING OF SORAYA M), de Cyrus Nowrasteh (114′). EUA. Falado em farsi, inglês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 18 ANOS.

Sessão 1498 – 20:20

SAÍDA A NADO (ALLT FLYTER), de Måns Herngren (102′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1499 – 22:30

DZI CROQUETTES (DZI CROQUETTES), de Tatiana Issa, Raphael Alvarez (110′). BRASIL. Falado em português, inglês, francês. Legendas em português. Indicado para: 14 ANOS.

10/11/2009 – Terça- feira

CINE BOMBRIL 1

Sessão 1500 – 14:00

VIDEOCRACIA (VIDEOCRACY), de Erik Gandini (84′). SUÉCIA. Falado em inglês, italiano. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1501 – 15:50

WOLSON: ÁRIA DE FRONTEIRA (WOLSON: KAIKYO NO AIRA), de Ota Shinichi (119′). JAPÃO. Falado em japonês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1502 – 18:10

HUMAN ZOO (HUMAN ZOO), de Rie Rasmussen (110′). FRANÇA. Falado em inglês, francês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1503 – 20:20

CONTINUAÇÃO (CONTINUAÇÃO), de Rodrigo Pinto (71′). BRASIL. Falado em português, inglês. Legendas em inglês. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1504 – 22:00

TOM ZÉ ASTRONAUTA LIBERTADO (TOM ZÉ ASTRONAUTA LIBERTADO), de Ígor Iglesias González (90′). ESPANHA. Falado em português, espanhol. Legendas em português. Indicado para: 14 ANOS.

CINESESC

Sessão 1505 – 14:00

A Batalha dos Três Reinos EstrelinhaEstrelinha (CHI BI), de John Woo (150′). CHINA. Falado em mandarim. Legendas em português. Indicado para: 16 ANOS.

Sessão 1506 – 16:50

O CERCO – A DEMOCRACIA NAS MALHAS DO NEOLIBERALISMO (L´ENCERCLEMENT – LA DÉMOCRATIE DANS LES RETS DU NÉOLIBÉRALISME), de Richard Brouillette (160′). CANADÁ. Falado em francês, inglês. Legendas em espanhol. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1507 – 19:50

SOLO (SOLO), de Ugo Giorgetti (72′). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1508 – 21:30

OS INQUILINOS (OS INQUILINOS), de Sergio Bianchi (103′). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 14 ANOS.

11/11/2009 – Quarta-feira

CINE BOMBRIL 1

Sessão 1509 – 14:00

ALEXANDRE, O GRANDE (MEGALEXANDROS), de Theo Angelopoulos (210′). GRÉCIA, ITÁLIA. Falado em grego. Legendas em francês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1510 – 17:50

SEQUESTRO (SEQUESTRO), de Wolney Atalla (94′). BRASIL. Falado em português. Legendas em inglês. Indicado para: 18 ANOS.

Sessão 1511 – 19:50

A RAÇA SÍNTESE DE JOÃOSINHO TRINTA (A RAÇA SÍNTESE DE JOÃOSINHO TRINTA), de Paulo Machline, Giuliano Cedroni (72′). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1512 – 21:30

UM HOMEM QUALQUER (UM HOMEM QUALQUER), de Caio Vecchio (90′). BRASIL. Falado em português. Indicado para: 14 ANOS.

CINESESC

Sessão 1513 – 14:00

UM OLHAR A CADA DIA EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (TO VLEMMA TOU ODYSSEA), de Theo Angelopoulos (176′). GRÉCIA, FRANÇA, ITÁLIA, ALEMANHA. Falado em inglês, grego, búlgaro, albanês, sérvio, romeno. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1514 – 17:20

A ETERNIDADE E UM DIA EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (MIA AIONIOTITA KAI MIA MERA), de Theo Angelopoulos (130′). GRÉCIA, FRANÇA, ITÁLIA. Falado em grego, inglês. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1515 – 19:50

TRILOGIA – O VALE DOS LAMENTOS EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha (TRILOGIA: TO LIVADI POU DAKRYZEI), de Theo Angelopoulos (185′). GRÉCIA, FRANÇA, ITÁLIA. Falado em grego. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Indicado para: 14 ANOS.

Sessão 1516 – 23:10

OS FAMOSOS E OS DUENDES DA MORTE (OS FAMOSOS E OS DUENDES DA MORTE), de Esmir Filho (101′). BRASIL, FRANÇA. Falado em português. Indicado para: 14 ANOS.

6 Comments

Filed under Mostra SP, Mostras

A Religiosa Portuguesa

A Religiosa Portuguesa

O filme português do francês Eugène Green se auto-ironiza o tempo inteiro. A história da atriz parisiense que chega a Lisboa para fazer um filme cabeça (com dois atores, sem diálogos, “aborrecido?”, pergunta a cabeleireira) começa com esse tom já no diálogo entre a protogonista e o recepcionista do hotel. Hilário. Esse sarcasmo cria um contraponto interessantíssimo ao formato adotado por Green: planos fixos, câmera aberta, interpretações deliberadamente artificiais (aos atores, sobretudo a Leonor Baldaque, parece ter sido pedido para não fazer expressões faciais, o que inclui piscar). O encontro de tons dá a A Religiosa Portuguesa um caráter único de filme sério que ri de si mesmo sem se desmerecer. O diretor ainda encontra espaço para defender o amor, discutir a religiosidade e dizer que, mesmo sendo um intelectual, acredita no acaso e no destino.

A Religiosa Portuguesa EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[A Religiosa Portuguesa, Eugène Green, 2009]

Leave a Comment

Filed under Resenha

Ninguém Sabe dos Gatos Persas

Ninguém Sabe dos Gatos Persas

Conhecido por seus trabalhos de linhagem mais étnica, como Tempo de Embebedar Cavalos e Tartarugas Podem Voar, desta vez, o cineasta Bahman Ghobadi realmente surpreendeu. O diretor abandona seu olhar sobre o homem comum, geralmente vítima da guerra, e mira no Irã urbano, cosmopolita (da maneira que consegue ser) e cheio de jovens dispostos a fazer música. Rock. O casal de protagonistas – os dois interpretam algo muito próximo de si mesmos, clássico modelo iraniano que aqui o cineasta reprisa com efeitos diferentes – tem um objetivo: completar sua banda de indie rock para poder fazer shows pela Europa. Ghobadi acompanha essa busca pelas ruas de Teerã com uma câmera agitada, que reflete a angústia dos jovens enquanto, lentamente, apresenta o país em que eles vivem. Seguindo pelas bordas, o filme se transforma num poderoso mosaico sobre o Irã dos dias de hoje, onde passado e presente convivem, com cada um tentando achar seu espaço. A estrutura do filme parece hollywoodiana. Há um guia fanfarrão, o ótimo Hamed Behdad, e, em cada parada, o trio conhece personagens diferentes (com rocks diferentes, muitos deles muito bons) que ajudam a entender a complexidade do país, mergulhado num conflito eterno entre o próprio umbigo e todo o resto.

Ninguém Sabe dos Gatos Persas EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Kasi az Gorbehaye Irani Khabar Nadareh, Bahman Ghobadi, 2009]

Leave a Comment

Filed under Resenha